Vinte filmes que completam vinte anos

No ano passado, fiz uma lista de vinte filmes que estavam completando trinta anos. Pois bem. Chegou a hora de colocar a cachola para funcionar e selecionar vinte filmes que fazem duas décadas do lançamento. Tarefa difícil, assim como a de escolher os dez longas-metragens imperdíveis de Woody Allen. É claro que alguém deve sentir […]

No ano passado, fiz uma lista de vinte filmes que estavam completando trinta anos. Pois bem. Chegou a hora de colocar a cachola para funcionar e selecionar vinte filmes que fazem duas décadas do lançamento. Tarefa difícil, assim como a de escolher os dez longas-metragens imperdíveis de Woody Allen. É claro que alguém deve sentir falta de algo. Listas, como eu digo, são listas e cada um tem a sua. Na minha, entrou de tudo um pouco: filmes americanos, europeus, asiáticos, pequenos e grandes, uns que eu gosto muito, outros que estão aqui porque foram importantes. Vamos a eles?

Jurassic Park – Na época, me impressionaram só os pioneiros efeitos digitais. Revi recentemente em Blu-ray 3D e achei uma deliciosa “sessão da tarde”.

JurassicPark
A Lista de Schindler – Vencedor de sete prêmios no Oscar, incluindo melhor filme e direção (Steven Spielberg), ainda é um registro da II Guerra de grande impacto.

schindlers-list
Gilbert Grape – Aprendiz de Sonhador – Mesmo com Johnny Depp de protagonista, quem roubou a cena foi Leonardo DiCaprio, vivendo um deficiente mental, que lhe valeu uma indicação ao Oscar de melhor ator coadjuvante.

Gilbert Grape
Uma Babá Quase Perfeita – Acho um dos melhores trabalhos de Robin Williams que, sob uma maquiagem sensacional, se transformou na babá Doubtfire.

babá
Filadélfia – Na época, achei melodramático e pouco me convenceu a história de um personagem que é portador do vírus da Aids. Mas Tom Hanks, na pele do protagonista, arrasou.

Philadelphia
Feitiço do Tempo – O Dia da Marmota. Quem viu essa comédia estrelada por Bill Murray, sabe do que estou falando.

feitiço-tempo
Sintonia de Amor – Foi um dos mais encantadores romances naquele ano, sobretudo porque Tom Hanks estava em alta e Meg Ryan ainda era a namoradinha da América.

sleepless-in-seattle
Um Dia de Fúria – O retrato de um homem à beira de um ataque de nervos (papel de Michel Douglas) numa Los Angeles tomada pela indiferença. A trama está atual e é o melhor filme do diretor Joel Schumacher.

um-dia-furia
Desafio no Bronx – É pena que Robert De Niro só tenha dirigido outro filme depois deste comovente registro do Bronx na década de 60.

desafio-no-bronx

Muito Barulho por Nada – Desde Henrique V (1989), o inglês Kenneth Branagh ficou marcado por ser um bom adaptador de Shakespeare para o cinema. Considero esta divertida comédia romântica seu ponto alto.

muito-barulho-por-nada
O Piano – Para mim, um filme de várias surpresas: a condução firme e forte da diretora neozelandesa Jane Campion, a atuação dramática de Holly Hunter, a revelação Anna Paquin (ambas vencedoras do Oscar) e a magnífica trilha sonora de Michael Nyman.

The Piano (1993
Proposta Indecente – Nunca gostei muito do filme, mas, convenhamos, gerou polêmica o tema dele: o marido (Woody Harrelson) que vende a esposa (Demi Moore) por uma noite para um bilionário (Robert Redford) por 1 milhão de dólares.

Proposta-Indecente
A Época da Inocência – Quase sempre envolvido em tramas contemporâneas, o diretor Martin Scorsese surpreendeu ao penetrar no universo da escritora Edith Wharton num elegante romance ambientado no século XIX.

aepocadainoncencia
Short Cuts – Difícil escolher o melhor filme de Robert Altman (1925-2006), mas, certamente, este é um dos meus preferidos. Uma história ambientada em Los Angeles, com vários personagens, que, casualmente, se cruzam.

short-cuts
A Casa dos Espíritos – O diretor dinamarquês Bille August reuniu um elenco fenomenal nesta adaptação do romance de Isabel Allende. Meryl Streep, Glenn Close, Vanessa Redgrave, Antonio Banderas, Jeremy Irons e Winona Ryder foram, porém, o destaque de uma narrativa morna.

a-casa-dos-espíritos
Sem Medo de Viver – Um filme pouco lembrado de Peter Weir (O Show de Truman) em que Jeff Bridges (fabuloso) interpreta o único sobrevivente de um acidente aéreo.

Jeff_Bridges_Fearless
A Liberdade É Azul – O diretor polonês Krzysztof Kieslowski (1941-1996) faz uma tremenda falta no cinema de autor, sobretudo quando lembramos deste intenso drama estrelado por Juliette Binoche.

a-liberdadeazul
Banquete de Casamento – Antes de O Segredo de Brokeback Mountain, o diretor Ang Lee já havia abordado (de forma mais leve) a história de um rapaz homossexual que casa por conveniência com uma mulher para manter as aparências perante a família.

banquete
O Cheiro do Papaia Verde – A delicadeza e contemplação com que o diretor Tran Anh Hung conta sua história me encheu de contentamento ao ver um legítimo filme vietnamita.

imagem41
Smoking e No Smoking – São dois filmes, mas vamos considerar que é apenas um. Afinal, a brincadeira proposta pelo diretor francês Alain Resnais consiste em ver as duas tramas que se diferenciam e tomam outros rumos por apenas um detalhe: se uma mulher fuma ou não em determinado momento da história.

smoking05

Gostou deste post? Então clique aqui e curta a minha página do blog no Facebook e tenha mais informações sobre cinema

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s