Clique e assine por apenas 6,90/mês
Blog do Miguel Por Miguel Barbieri Jr. Fique por dentro das melhores dicas de filmes e séries.

Netflix: três histórias reais em família para repensar seus problemas

Em Diga Quem Sou, um irmão ajuda seu gêmeo, que perdeu a memória, a resgatar as lembranças da infância

Por Miguel Barbieri - Atualizado em 17 Apr 2020, 11h56 - Publicado em 15 Apr 2020, 14h09

No meu “garimpo” semanal, durante a pandemia, fui atrás de documentários sobre famílias na Netflix. Encontrei três ótimos longas-metragens que, por coincidência, são ingleses. Se você pensa que sua vida é difícil é porque não viu a vida desses outros.

Diga Quem Sou > Em 1982, Alex Lewis sofreu um acidente de moto aos 18 anos. Ficou três meses em coma e, ao se recuperar, não se lembrava de nada. Perdeu a memória e, com a ajuda de seu irmão gêmeo, foi entendendo quem era e sabendo detalhes de seu passado. A primeira parte de Diga Quem Sou é narrada sob o ponto de vista de Alex e, na sequência, o documentário ganha a ótica de Marcus Lewis, o mano que escondeu dele algo estarrecedor. O terceiro ato fica dedicado a um acerto de contas. De forma direta e objetiva, o diretor Ed Perkins reconstitui as lembranças de seus personagens de forma hipnótica, desvendando um caso chocante, ocorrido numa família da classe média alta inglesa.

+ Assine a Vejinha a partir de 6,90 mensais

Nosso Reino > Uma mãe, seis filhas, um filho e uma tragédia que abalou a família: o suicídio do marido carinhoso e pai exemplar. Seis anos após a morte dele, a diretora Lucy Cohen recolheu depoimentos e, com uma câmera discreta, flagrou os personagens em um cotidiano disfuncional. Aos poucos e lentamente, emergem a verdadeira causa da morte e a desestrutura emocional que tomou conta de cada um dos parentes. O inglês Nosso Reino abusa da duração, mas faz uma radiografia dilacerante sobre uma perda e os consequentes danos emocionais.

Continua após a publicidade

Evelyn > Orlando von Einsiedel é um dos diretores e também personagem de Evelyn, que traz à tona uma terapia conjunta incomum. Ele e os familiares decidiram refazer trilhas na Escócia e na Inglaterra, por onde caminharam com Evelyn, o irmão que se matou treze anos atrás. Nas caminhadas com outros dois irmãos, a mãe e o pai, já divorciados, o realizador encontra uma forma de exorcizar as dores de um trauma em família. Além das bucólicas paisagens, o documentário dá agilidade a uma câmera em constante movimento nas jornadas e, assim, flagra momentos de emoção genuína.

Quer me seguir nas redes sociais? Anote: 

Facebook: facebook.com/paginadoblogdomiguel
Twitter: @miguelbarbieri
Instagram: miguelbarbieri
YouTube: Miguel Barbieri Jr. 

 

Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade
Publicidade