Netflix: 4 filmes recomendados e que todo mundo está comentando

Entre os badalados do momento está a comédia Megarrromântico, com Rebel Wilson e Liam Hewsworth

Quase toda semana, um filme, uma série ou um documentário vira a sensação dos assinantes da Netflix. Na maioria das vezes, as atrações acabaram de chegar à plataforma de streaming. E é sempre assim: quando você assiste, já tem gente falando de uma outra novidade. Pincei quatro longas-metragens que li, nas últimas semanas, muita gente comentando nas redes sociais. Já viu? Gostou? Confira o que eu achei de duas ficções e dois documentários.

Dirty John, the Dirty Truth > Não confundir com a série de mesmo nome e que trata do mesmo caso. O personagem-título deste documentário é John Meehan (foto), um boa-vida bonitão que conquistava as mulheres com seu charme e lábia para, depois, aplicar um golpe. Há entrevistas com suas ex-namoradas e a última esposa. A conclusão é de deixar qualquer um atônito.

Dirty John

Dirty John (Divulgação/Veja SP)

Sequestrada à Luz do Dia > Jan Broberg tinha 12 anos quando, em 1974, foi levada por seu até então respeitado vizinho, um homem de 40 anos, casado e pai de família. Tratado como sequestro, o caso teve desdobramentos imprevisíveis. A história volta à tona no documentário com depoimentos da vítima, de seus pais e irmãs. O chocante destino do pedófilo também é desvendado.

Sequestrada à Luz do Dia

Sequestrada à Luz do Dia (Divulgação/Veja SP)

O Menino que Descobriu o Vento > O ator inglês Chiwetel Ejiofor (foto) faz uma competente estreia na direção de longas com uma edificante história real: a do menino do Malawi que precisou deixar a escola, mas ajudou sua aldeia e sua família a sair da miséria ao estudar o funcionamento da energia eólica. Embora falte certa autenticidade, o desfecho comove.

O Menino que Descobriu o Vento

O Menino que Descobriu o Vento (Divulgação/Veja SP)

Megarrromântico > Na divertida comédia, Rebel Wilson (foto) interpreta uma arquiteta insegura, que é tratada como capacho num escritório de Nova York. Ao sofrer um acidente, tem sua vida virada do avesso. Um construtor imobiliário bonitão tenta conquistá-la enquanto seu cotidiano parece um mar de rosas como se ela estivesse num musical hollywoodiano.

+ Netflix: os 13 melhores filmes argentinos

+ Netflix: 16 surpreendentes histórias reais que parecem ficção

Quer me seguir nas redes sociais? Anote: 

Facebook: facebook.com/paginadoblogdomiguel
Twitter: @miguelbarbieri
Instagram: miguelbarbieri
YouTube: Miguel Barbieri Jr. 

 

 

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s