Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês
Tudo Sobre Cinema

M-8 faz ótima reflexão sobre vertentes do racismo estrutural no Brasil

O filme do diretor paulista Jeferson De está disponível na Netflix

Por Miguel Barbieri 11 mar 2021, 11h30

É notável o amadurecimento artístico do diretor Jeferson De. Da estreia com o superestimado Bróder (2010) ao desastroso terror O Amuleto (2015), o cineasta paulista constrói uma trama de reflexões oportunas em M8 — Quando a Morte Socorre a Vida, disponível na Netflix após passagem rápida pelos cinemas.

No momento em que se debate na mídia o racismo estrutural e, no BBB, o ativismo negro, o roteiro mira em várias questões pertinentes sobre o assunto. Maurício (Juan Paiva) é cotista de uma universidade federal e, em sua primeira aula de anatomia, percebe que todos os cadáveres são negros, assim como ele. O estudante de medicina fica intrigado e quer saber como os corpos chegam até a faculdade, sobretudo ao reparar num grupo de mães que protestam nas ruas do Rio de Janeiro à procura de seus filhos, também negros, desaparecidos. Maurício e dois colegas (Giulia Gayoso e Bruno Peixoto) assumem os papéis de investigadores.

+Assine a Vejinha a partir de 6,90.

O realizador aborda o racismo dos brancos, mas também como os negros, sejam policiais ou porteiros de edifícios grã-finos, se comportam com preconceitos. Em meio a um enredo que ainda traz à luz a ancestralidade e as religiões de matriz africana (culminando num desfecho comovente), o filme conta com estrelas negras em luxuosas participações, a exemplo de Zezé Motta, Lázaro Ramos, Léa Garcia e Aílton Graça.

  • Quer me seguir nas redes sociais? Anote: 

    Facebook: facebook.com/paginadoblogdomiguel
    Twitter: @miguelbarbieri
    Instagram: miguelbarbieri
    YouTube: Miguel Barbieri Jr. 

     

    Continua após a publicidade
    Publicidade