Julio Machado indica série eletrizante sobre caso real na HBO

Confira o texto do ator, que está nos cinemas em Divino Amor

Julio Machado está em cartaz nos cinemas em Divino Amor. Faz um papel polêmico: o de um evangélico que frequenta uma igreja em que há troca de casais. Gostei do filme. Você também deve  lembrar dele como o protagonista de Joaquim (interpretando Tiradentes), Esteve também em Entre Irmãs (com Marjorie Estiano e Nanda Costa) e, mais recente, em A Sombra do Pai.

Julio também está na TV, como o policial Marco na nova temporada de Malhação. O ator é o convidado da semana para escrever sobre uma série e foi certeiro no texto. Confira abaixo.

Os efeitos após a tragédia nucelar

Os efeitos após a tragédia nucelar (Divulgação/HBO/Veja SP)

Chernobyl é uma série sobre as consequências de uma mentira. Mundialmente aclamada, essa reconstituição da famosa tragédia nuclear na antiga União Soviética me cativou pela maneira pungente com que consegue criar a representação histórica de um fato e, ao mesmo tempo, aludir à realidade de outros sistemas sociopolíticos de qualquer era: sim, a série pode estar falando sobre nós, brasileiros dos dias de hoje, e, inevitavelmente, sobre nossas mentiras.

Craig Mazin levou sete anos para pesquisar o tema e desenvolver o roteiro dos episódios, motivado pelas histórias do livro Vozes de Tchernóbil, da prêmio Nobel de Literatura Svetlana Alexijevich. Johan Renck é o único responsável por dirigir os cinco capítulos, o que confere a eles impressionante coesão. O trio de protagonistas, formado por Jared Harris, Stellan Skarsgard e Emily Watson, oferece performances sublimes. Cenários, locações, figurinos e objetos nos colocam no centro da vida soviética. Por fim, fotografia, trilha sonora, ritmo — tudo funciona como uma usina de potencial iminentemente explosivo.

O resultado é uma obra eletrizante que prende a atenção do começo ao fim, provocando emoções variadas. E, o que é ainda mais saboroso, a série nos convida a refletir sobre algo fundamental para os dias que correm: nesta era de democracias ameaçadas, vazamentos, hackers, supostos heróis desmascarados — até que ponto uma mentira que implica a vida coletiva pode ser sustentada, e por quanto tempo? “Cada mentira que contamos gera uma dívida com a verdade. Cedo ou tarde, essa dívida deve ser paga” — eis a fala aterradora de um dos personagens. Com Chernobyl, somos lançados, perplexos, em meio aos escombros irremediáveis da explosão da verdade.

> Chernobyl está disponível na HBO pelo NOW ou na HBO GO.

Quer me seguir nas redes sociais? Anote!

Facebook: facebook.com/paginadoblogdomiguel
Twitter: @miguelbarbieri
Instagram: miguelbarbieri
YouTube: Miguel Barbieri Jr. 

 

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s