Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês
Blog do Miguel Por Miguel Barbieri Jr. Fique por dentro das melhores dicas de filmes e séries.

Dez pôsteres que foram proibidos. Entenda o motivo da censura

Censura a filmes, é bem provável, você já cansou de ouvir. Mas é proibição de pôsteres? Achei interessante esta nota que o site da revista espanhola Cinemania fez. Eles listaram uma série de cartazes de cinema que, por algum motivo ou em algum país, foram barrados. Escolhi alguns, que você abaixo, com o motivo da […]

Por Miguel Barbieri Jr. Atualizado em 26 fev 2017, 20h21 - Publicado em 10 nov 2014, 23h05

Censura a filmes, é bem provável, você já cansou de ouvir. Mas é proibição de pôsteres? Achei interessante esta nota que o site da revista espanhola Cinemania fez. Eles listaram uma série de cartazes de cinema que, por algum motivo ou em algum país, foram barrados. Escolhi alguns, que você abaixo, com o motivo da censura. Se quiser ver a lista completa, vá ao site do Cinemania.

Millennium – Os Homens que Não Amavam as Mulheres (2011). O thriller de David Fincher foi recusado em todos os países por causa dos seios à mostra da atriz Rooney Mara. A distribuidora teve de providenciar um outro, tapando o busto com uma ficha em que estava escrito a data da estreia.

dragon_original
Jogos Mortais 2 (2005). Censurado nos Estados Unidos porque a MPAA, entidade que dá a classificação indicativa aos filmes, não gostou de ver os dedos mutilados no cartaz.

saw_two
Sex and the City 2 (2010). Proibido em duas cidades de Israel pelo simples motivo de a palavra “sexo” constar do título, o que poderia ofender a comunidade de judeus ortodoxos. Embora os cinemas tenham protestado (não haveria como mutilar o nome do filme), o cartaz foi banido.

SexTheCity_Poster2
O Caminho para Guantánamo (2006). O documentário do diretor Michael Winterbottom, que trata da prisão onde foram parar integrantes da Al Qaeda, teve seu pôster proibido nos Estados Unidos. Motivo: os censores americanos disseram que ele violava uma norma que diz que nenhum cartaz de cinema pode conter cenas de tortura.

guantanamo_original
Ali G Indahouse (2002). Proibido no Reino Unido, o cartaz da comédia de Sacha Baron Cohen foi muito criticado por padres, professores e outros cidadãos indignados. Acho que dá para entender a razão para quem não conhece o humor do ator de Borat e Bruno.

ali_g

Pagando Bem, que Mal Tem? (2008). Os Estados Unidos vetaram o pôster da comédia estrelada por Seth Roger e Elizabeth Banks porque…bem, você pode notar abaixo que há uma simulação de sexo oral.

Continua após a publicidade

zack_and_miri_make_a_porno
Coco Antes de Chanel (2009). Uma censura na França virou polêmica no mundo. O motivo estava no cigarro que a atriz Audrey Tautou segurava entre os dedos. Como a publicidade do tabaco é proibida em espaços públicos, a sociedade municipal de transportes público de Paris recusou a aceitá-lo.

coco_before_chanel_poster2
Vício Frenético (2009). Novamente a MPAA entrou em ação por considerar que o ator Nicolas Cage praticava um ato de violência contra uma pessoa de idade avançada. A distribuidora, então, trocou a imagem por outra com os rostos de Cage e da atriz Eva Mendes.

bad-lieutenant-port-of-call-new-orleans-poster-7
Sede de Sangue (2009). O diretor sul-coreano de Oldboy teve o pôster de seu filme proibido em seu próprio país. Os censores consideraram que a imagem poderia ser ofensiva aos católicos coreanos, já que o protagonista é um padre que se converte em vampiro.

thirst-movie-poster
Regras da Atração (2002). O filme é baseado num livro de Brett Easton Ellis, dirigido pelo roteirista de Pulp Fiction. Só dava para esperar algo explosivo no cartaz. Pois bem. A MPAA alegou que as poses sexuais das pelúcias eram injustificáveis e poderia ser uma má influência para as crianças.

leyes_atraccion

Depois de dado como morto, Macaulay Culkin posta fotos brincando com o boato

Sete atores que fizeram cenas de nu frontal no cinema

Quer ter informações diárias sobre cinemas? Venha conhecer e curtir minha a página do blog no FacebookE me siga no Twitter!

Continua após a publicidade
Publicidade