Clique e assine por apenas 6,90/mês
Memória Por Blog Uma viagem no tempo às décadas passadas por meio de suas histórias, costumes e curiosidades.

Livro mostra os espetáculos das faquiresas nas décadas de 20 e 50 em São Paulo

Entre as décadas de 20 e 50, o centro da capital foi palco recorrente de shows de faquires — homens que se exibiam deitados sobre cama de pregos, geralmente trancados em uma urna de cristal, e permaneciam sem comer por dias, em algumas ocasiões. Nesse cenário majoritariamente masculino, surgiram também algumas mulheres, que sensualizavam no […]

Por Adriana Farias - Atualizado em 12 nov 2018, 18h14 - Publicado em 21 jan 2016, 18h11
Cama de pregos e dança com cobras: shows entre as décadas de 20 e 50

Cama de pregos e dança com cobras: shows entre as décadas de 20 e 50 (Foto: Reprodução)

Entre as décadas de 20 e 50, o centro da capital foi palco recorrente de shows de faquires — homens que se exibiam deitados sobre cama de pregos, geralmente trancados em uma urna de cristal, e permaneciam sem comer por dias, em algumas ocasiões. Nesse cenário majoritariamente masculino, surgiram também algumas mulheres, que sensualizavam no encarceramento com biquíni e roupas de odalisca enquanto repousavam sobre cacos de vidro ou entre cobras.

+ As visitas de David Bowie em São Paulo

Livro recém-lançado Cravo na Carne — Fama e Fome retrata o universo das faquiresas

Livro recém-lançado Cravo na Carne — Fama e Fome retrata o universo das faquiresas (Foto: Reprodução)

Continua após a publicidade

+ Passeio de ônibus leva turistas por pontos macabros da capital

Para resgatar esse período insólito, foi lançado recentemente o livro Cravo na Carne — Fama e Fome (Editora Veneta; 300 páginas; 49,90 reais), escrito por Alberto de Oliveira e Alberto Camarero. A dupla detalha a história de onze faquiresas que costumavam exibir-se no Largo do Paissandu, no saguão de teatros e cinemas da Avenida São João e na Praça do Correio.

A obra narra ainda o célebre caso do casal Lookan e Yone. Em 1958, os dois tornaramse os primeiros brasileiros a quebrar recordes mundiais de jejum, ele com 134 dias e ela com 76. O feito obteve cobertura diária da imprensa. Oito anos depois, o marido assassinou a esposa com quatro tiros em uma pensão no centro.

Com reportagem de Adriana Farias

Publicidade