Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês
Memória Por Blog Uma viagem no tempo às décadas passadas por meio de suas histórias, costumes e curiosidades.

50 anos após criação, orelhões da capital são usados 1 vez a cada 14 dias

Estatística, medida entre janeiro e agosto, mostra como os aparelhos caíram em desuso com os smartphones e tendem a desaparecer da paisagem da cidade

Por Sérgio Quintella Atualizado em 14 out 2021, 20h53 - Publicado em 15 out 2021, 06h00

Presentes na nossa vida desde 1971, os orelhões foram criados pela arquiteta sino-brasileira Chu Ming Silveira, então chefe do Departamento de Projetos da Companhia Telefônica Brasileira. A ideia da designer, falecida em 1997, era conceber uma proteção funcional e que proporcionasse privacidade aos usuários dos aparelhos de telefone públicos, até então instalados em áreas fechadas. Baratos e de fácil instalação nas ruas (são feitos de fibra de vidro ou acrílico), eles logo tomaram as cidades. Seu formato de ovo tinha um propósito: melhorar a acústica.

De duas décadas para cá (os nascidos depois disso só conhecem a vida com WhatsApp), os aparelhos foram caindo em desuso à medida que a internet e os smartphones foram tomando funções de outros sistemas de comunicação. Atualmente, São Paulo possui 6 958 telefones públicos, uma redução de 82,6% na comparação com as mais de 40 000 unidades espalhadas pela metrópole há três anos. A queda na quantidade de aparelhos reflete-se no número de utilização. De janeiro a agosto de 2021, os telefones no estado foram acionados uma vez a cada catorze dias. De todos os disponíveis, mais da metade ficou no gancho durante o período. Em locais de grande passagem, como a Rodoviária do Tietê, os telefones públicos estão lá, mas em cabines de acrílico quadradas. Desde 2018 as operadoras estão desobrigadas de instalar telefones conforme o número de habitantes da região, como era lei anteriormente. Mais uns poucos anos e os orelhões serão vistos exclusivamente em museus.

foto de orelhão vandalisado em rua deserta da cidade
Orelhão no centro: vandalismo Alexandre Battibugli/Veja SP

+Assine a Vejinha a partir de 12,90.

Publicado em VEJA São Paulo de 20 de outubro de 2021, edição nº 2760

Continua após a publicidade

Publicidade