Clique e assine com até 89% de desconto
Vinho e Algo Mais Por Por Marcelo Copello Especialista na bebida, Marcelo Copello foi colunista de Veja Rio. Sua longa trajetória como escritor do tema inclui publicações como a extinta Gazeta Mercantil e livros, entre eles "Vinho e Algo Mais" e "Os Sabores do Douro e do Minho", pelo qual concorreu ao prêmio Jabuti

Brasileiro consome mais vinhos na quarentena, principalmente os nacionais

Rio Grande do Sul é o responsável pela maioria da produção brasileira

Por Marcelo Copello Atualizado em 28 set 2020, 16h52 - Publicado em 25 set 2020, 15h10

Entre os incontáveis efeitos da pandemia em nossa vida estão as mudanças no mercado de vinhos. O consumo aumentou consideravelmente e o maior beneficiado foi o vinho brasileiro. Segundo dados da União Brasileira de Vitivinicultura (Uvibra), no primeiro semestre deste ano, em relação ao mesmo período no ano passado, houve um aumento de 66,42% na comercialização (venda do produtor ao distribuidor/varejista). Esse volume se refere aos vinhos finos do Rio Grande do Sul, que responde por 90% da produção brasileira.

Enquanto isso, o volume de importação cresceu apenas 15% de janeiro a agosto (dados da Product Audit). A principal causa do fenômeno foi a variação cambial, que deu mais competitividade ao produto doméstico. A qualidade dos nossos está em ascensão. Os números da Grande Prova Vinhos do Brasil, o maior concurso de vinhos brasileiros, atestam essa evolução. Na primeira edição do evento, em 2012, havia 284 vinhos (de 48 vinícolas) e 27 foram premiados.

Você pode encontrar outros vinhos nos sites Evino, Vinho Fácil e Wine.

Em 2019, foram 1 034 amostras (mais 38 de suco de uva), de 122 vinícolas com 354 produtos laureados — um crescimento de cerca de 1 300% em premiações. A nona edição desse concurso, que acontece em outubro, promete bater recordes de qualidade. O principal motivo são as duas safras excepcionais. A 2018, cujos vinhos de maior guarda só chegaram ao mercado neste ano, e a safra 2020, considerada a melhor de todos os tempos, cujos vinhos mais jovens já estão em nossas prateleiras.

 

Confira três vinhos nacionais 

Blend de uvas

Da excepcional safra 2018, o LidioCarraro Dádivas Merlot Cabernet Sauvignon 2018 é um corte das duas tintas mais plantadas no Brasil, com uvas de Encruzilhada do Sul, uma das melhores regiões brasileiras para tintos, sem passagem por madeira.
Frutado e fresco. R$ 126,94, Wine.

Continua após a publicidade

Branco da Campanha

O Bueno Bellavista Estate Sauvignon Blanc é um projeto do narrador Galvão Bueno. Elaborado com uvas da Campanha Gaúcha, fronteira do Uruguai e mais promissora de nossas regiões vinícolas. Cor clara, aromas cítricos, com notas de aspargos e frutas tropicais como maracujá. Fresco, com ótima acidez. R$ 65,42. Americanas.

100% Merlot

A merlot pode ser considerada a uva tinta emblemática do Brasil e este Miolo Terroir 2018 é uma das maiores e mais premiadas referências. Na espetacular safra 2018, o vinho está superlativo e com grande potencial de guarda. Foi elaborado com uvas do Vale dos Vinhedos, com 15% de álcool e doze meses em barricas de carvalho. R$ 159,00, Amazon.

 

Assine a Vejinha a partir de 6,90 mensais

Valeu pela visita! Volte sempre e deixe seu comentário. Aproveite para curtir minha página no Facebook e minhas postagens no Instagram.

  • Continua após a publicidade
    Publicidade