Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês
Vinho e Algo Mais Por Por Marcelo Copello Especialista na bebida, Marcelo Copello foi colunista de Veja Rio. Sua longa trajetória como escritor do tema inclui publicações como a extinta Gazeta Mercantil e livros, entre eles "Vinho e Algo Mais" e "Os Sabores do Douro e do Minho", pelo qual concorreu ao prêmio Jabuti

Como combinar vinho com chocolate

Os melhores rótulos para acompanhar o doce

Por Marcelo Copello Atualizado em 3 abr 2020, 15h06 - Publicado em 3 abr 2020, 06h00

Um tema controverso no mundo do vinho é se a bebida combina com chocolate. Fiz muitas experiências e posso afirmar com segurança que sim, a dupla pode ser uma excelente combinação, desde que o chocolate certo encontre o parceiro correto.

Adianto que os chocolates que realmente são de difícil combinação com vinho são o branco e o ao leite. O ideal é usar variedades com menos gordura, menos açúcar e com um teor maior de cacau, entre 40% e 80%. Veja algumas dicas:

1) Os vinhos mais fáceis de combinar com chocolate são os tintos fortificados como o Porto. Para esses o ideal é o chocolate com teor de cacau elevado, entre 60% e 80%, puro ou com nozes, avelãs ou castanhas.

2) Os rótulos de sobremesa, doces, do tipo late harvest ou sauternes vão muito bem também. Para esses o ideal é o chocolate não tão amargo, entre 40% e 60%, puro ou com frutas cristalizadas, como laranja.

3) Com tintos secos não é tão fácil, mas é possível. É preciso um tinto mais tânico, como um tannat, um petit verdot ou um cabernet sauvignon mais jovem e nervoso. Para esses o chocolate não deve ser tão amargo, entre 40% e 60%, puro ou com frutas secas, negras ou vermelhas, como ameixa seca.

Para combinar com chocolate: três rótulos Divulgação/Divulgação

Porto
De cor âmbar, o Porto Krohn Tawny amadurece três anos em madeira, ganhando aromas de frutas secas como figo, amêndoa e ameixa, além de especiarias. Paladar adocicado e macio. No Pão de Açúcar Adega (paodeacucar.com/adega), sai a R$ 41,99.

Tannat
o argentino Finca Las Moras Barrel select Tannat 2017 tem cor escura, aromas de chocolate e baunilha oriundos de amadurecimento em carvalho, além de frutas como cassis. Bons taninos e acidez típicos. Custa R$ 92,80 na Decanter (decanter.com.br).

Late harvest
Com pinot blanc (45%), chardonnay (45%) e riesling itálico (10%), o austríaco Kracher Cuvée Spätlese 2015 (R$ 131,80, meia garrafa) apresenta cor clara. Tem leveza e doçura equilibrada com frescor. Produtor de grande prestígio, especialista em vinhos doces. Vendido pela Mistral (mistral.com.br).

Assine a Vejinha por 14,90 mensais.

  • Continua após a publicidade
    Publicidade