Clique e assine por apenas 6,90/mês
A Tal Felicidade Saúde, bem estar e alegria para os paulistanos

Fabiano Moulin e João Pacífico falam sobre o propósito da vida

Segundo os orientais, a razão pela qual nos levantamos de manhã se chama ikigai

Por Fabiano Moulin e João Pacífico - 3 Maio 2019, 06h00

Após uma boa noite de sono, o que faz você ter muita energia para começar o dia? Segundo os orientais, a razão pela qual nos levantamos de manhã se chama ikigai, que em uma tradução livre significa valor da vida ou propósito da vida. Neste breve artigo, vamos começar com dados científicos para convencê-lo da importância de ter um propósito e daremos dicas para que você encontre o seu.

A ciência mostra que os efeitos do propósito individual são cumulativos via múltiplos caminhos: biológico, psicológico e social.

1. Biológico: pessoas com maior propósito têm melhor sistema imune, melhor funcionamento cerebral, maior resistência contra a doença de Alzheimer, menores níveis de inflamação sistêmica e melhor perfil do colesterol (colesterol “bom”, HDL mais alto). Isso tudo resulta em menor risco de morte… Uau!

2. Psicológico: propósito se relaciona com mais otimismo, afetos positivos, satisfação de vida e maior resistência contra stress, ansiedade e depressão. Parece bom, né?

Continua após a publicidade

3. Social: ikigai significa mais atividade sexual, maior participação social e menor sensação de solidão.

O propósito age como um amortecedor contra os grandes riscos de adoecimento, além de ser um trampolim para felicidade e bem-estar. Se você quer viver mais, ter maior satisfação com a vida e ser mais feliz, que tal encontrar o seu ikigai? Para ajudá-lo, vamos às dicas de Yukari Mitsuhashi, autora do livro Ikigai.

1. Você pode ter um ou vários ikigais ao mesmo tempo, e eles podem mudar.

2. O ikigai não precisa estar ligado ao seu trabalho. Muitos se confundem ao ver um conhecido diagrama que mostra que o ikigai seria a intersecção de quatro círculos: o que você ama, aquilo em que você é bom, do que o mundo precisa e o que você pode ser pago para fazer. Isso restringiria o propósito ao trabalho. É maravilhoso quando propósito e trabalho se unem, mas muitas vezes não é possível, e não é por isso que você não terá um ikigai.

Continua após a publicidade

3. Deve ser algo específico e do seu dia a dia. Algo muito abstrato é difícil de se materializar.

4. Dar é mais poderoso do que receber. O ikigai sempre deve envolver uma ação, não algo que você deve receber, mas fazer.

5. O ikigai pode ser composto de pequenos momentos. Mesmo em um trabalho que não seja o ideal da sua vida, por exemplo, encontrar ikigai em algumas atividades o fará mais feliz.

Agora pense nas coisas que você ama fazer, que o tornam mais realizado, que você faria mesmo que tivesse todo o dinheiro do mundo. E seja simples. Esse é o caminho para descobrir o(s) ikigai(s) deste momento da sua vida. E aí, que tal acordar amanhã cheio de energia?

Continua após a publicidade
Graziella Fraccaroli / Acervo pessoal/Divulgação

Fabiano Moulin, médico neurologista, coordenador da Unifesp e professor da Casa do Saber, e João Paulo Pacifico, fundador do Grupo Gaia, encontraram nas suas profissões e no compartilhar do conhecimento um bom motivo para nunca apertar o botão de soneca do despertador.

Marcelo Justo/Veja SP

Publicado em VEJA SÃO PAULO de 8 de maio de 2019, edição nº 2633.

Publicidade