Clique e assine por apenas 6,90/mês
Na Plateia Por Dirceu Alves Jr. Tudo sobre teatro

Monique Alfradique em “Como Ter uma Vida Quase Normal”: menina nos 30

O monólogo cômico, dirigido por Rafael Primot, traz uma protagonista que, por causa de pequenos tropeços, não encontra um amor

Por Dirceu Alves Jr. - Atualizado em 17 Oct 2019, 18h34 - Publicado em 17 Oct 2019, 12h42

São muitas as peças sobre conflitos e trapalhadas da solteirice no universo feminino. Poucas, porém, escapam de clichês e apresentam uma abordagem nova sobre o tema. Protagonizado por Monique Alfradique, o monólogo cômico Como Ter uma Vida Quase Normal não alcança a originalidade, mas, pelo menos, oferece situações comuns a quem, na casa dos 30 e poucos, ainda não se livrou do imaginário adolescente.

+ “Brian ou Brenda?” discute questão de gênero e identidade.

O texto, adaptado do livro de Camila Fremder e Jana Rosa, traz uma protagonista que aproveita muito bem a vida, mas, por causa de pequenos tropeços, não encontra um amor e, insegura, também trilha descaminhos profissionais.

Depois de uma relação de quatro anos, a personagem se viu solteira e sem perspectivas no trabalho de escritora. Ela tem uma melhor amiga adorada, mas vítima constante de seus bullyings, uma mãe que a mete em roubadas e um celular sempre à mão para paquerar e pagar micos, principalmente depois de exagerar nas doses de gim.

Continua após a publicidade

+ Dez peças marcantes de Fernanda Montenegro. 

A disposição de Monique rende a simpatia do público, mas falta um desapego para colocá-la mais próxima do ridículo e fazê­-la saltar como intérprete. Direção e dramaturgia de Rafael Primot (70min). 14 anos. Estreou em 21/9/2019.

+ Teatro Folha. Shopping Pátio Higienópolis. Sábado e domingo, 20h. R$ 50,00 e R$ 60,00. Até 15 de dezembro.

Para não perder as notícias mais quentes que rolam sobre São Paulo, assine a newsletter da Vejinha

Publicidade