Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês
Na Plateia Tudo sobre teatro

Hector Babenco fez teatro para seus amores Xuxa Lopes e Bárbara Paz

Desde o primeiro longa de ficção, “O Rei da Noite” (1975), Hector Babenco, que morreu na noite de quarta (13), aos 70 anos, se mostrou um cineasta de olhar cuidadoso em relação aos atores. Se ali, Paulo José e Marília Pêra brilhavam como a alma da história, no trabalho seguinte do realizador, “Lúcio Flávio, O […]

Por Dirceu Alves Jr. Atualizado em 26 fev 2017, 11h12 - Publicado em 14 jul 2016, 13h56
Hector Babenco (1946-2016): cineasta dirigiu no teatro Xuxa Lopes e Barbara Paz (Foto: Dedoc)

Hector Babenco (1946-2016): cineasta dirigiu no teatro Xuxa Lopes e Bárbara Paz (Fotos: Dedoc)

Desde o primeiro longa de ficção, “O Rei da Noite” (1975), Hector Babenco, que morreu na noite de quarta (13), aos 70 anos, se mostrou um cineasta de olhar cuidadoso em relação aos atores. Se ali, Paulo José e Marília Pêra brilhavam como a alma da história, no trabalho seguinte do realizador, “Lúcio Flávio, O Passageiro da Agonia” (1978), o filme em si era Reginaldo Faria, a representação do bandido que desafiou a polícia nos anos 70.

A cena de Marília – novamente ela – amamentando o garoto Fernando Ramos da Silva em “Pixote – A Lei do Mais Fraco” (1980) se tornou antológica pela sensibilidade com que foi conduzida por Babenco, e a lista seria infinita. Afinal, em mais de quatro décadas, o argentino radicado no Brasil comandou muitos dos maiores intérpretes do nosso país e alguns dos grandes do mundo, como William Hurt, Meryl Streep, Jack Nicholson e Willem Dafoe.

Com essa explícita paixão pela arte da interpretação, o teatro pode ter sido um caminho profissional natural para Hector Babenco. Afinal, em um país onde um diretor leva em média meia década entre o lançamento de um filme e outro, diferentes trilhas profissionais e financeiras devem ser percorridas. A pergunta que nunca fiz a Babenco, nas poucas vezes em que conversamos, veio a minha cabeça agora. “Mas, de verdade, por que você resolveu fazer teatro?”, deveria ter indagado. Certamente, não foi apenas por inquietações artísticas ou motivações financeiras. Na sequencia, eu emendaria outra pergunta: “Foi por causa de seus amores?”, completaria, referindo-me aos seus relacionamentos com as atrizes Xuxa Lopes e Bárbara Paz.

Xuxa Lopes, Hector Babenco e Antônio Calloni: cineasta dirigiu "Louco de Amor"

Xuxa Lopes, Hector Babenco e Antônio Calloni: cineasta dirigiu “Louco de Amor”

Vou ousar rascunhar aqui uma resposta para a pergunta que nunca fiz. Acredito, claro, que Xuxa e Bárbara foram as grandes responsáveis pelas aventuras do diretor nos palcos. Em 1988, a primeira direção teatral dele trazia Xuxa e Edson Celulari como os personagens principais. “Louco de Amor”, de Sam Shepard, é centrado em uma mulher que mora em um hotel de beira de estrada como se fugisse do próprio passado. Até que aparece por lá um sujeito com quem ela teve um relacionamento e torna seu presente ainda mais conturbado. Pura tensão sexual, com Babenco extraindo o máximo de sensualidade da dupla e jogando a então mulher no patamar de estrela.

Continua após a publicidade

Xuxa também estava diretamente envolvida na segunda incursão de Babenco no teatro. Em 2000, depois de longo jejum, ele levantou a primeira montagem brasileira de “Closer”, batizada de “Mais Perto”, produzida e protagonizada por Renata Sorrah, uma das melhores amigas de Xuxa. A ciranda amorosa – que, poucos anos depois, seria popularizada no cinema – era completada por José Mayer, Marco Ricca e Guta Stresser.

Bárbara Paz: parceria com Hector Babenco na vida e no teatro (Foto: Ernani D'Almeida)

Bárbara Paz: parceria com Hector Babenco na vida e no teatro (Foto: Ernani D’Almeida)

Mas tudo deve ter sido transformado de vez com a entrada de Bárbara Paz na vida de Babenco. A atriz, diva deslocada de seu tempo, sonha com os grandes personagens e alimenta a aura glamurosa perdida por suas colegas. Se Babenco, apaixonado, tomou esse investimento como missão não saberemos, mas ele explorou muito bem o inegável talento da intérprete em dois belas espetáculos. Tanto que sepultou a imagem da moça revelada ao grande público no reality show “Casa dos Artistas”, em um distante 2002.

Bárbara ganhou uma encenação sob medida para sua carga dramática em “Hell”, de 2010. Na pele de uma garota fútil e arrogante, ela aproveita ao extremo a sua chance e deixa eternizada na memória do público a cena final, em que simula uma relação sexual ao som da ópera “La Traviata”.  Três anos depois, os dois voltaram a trabalhar juntos em “Vênus em Visom”. Nesse espetáculo, Bárbara é uma atriz obstinada por um papel que chega atrasada para uma entrevista com o diretor (papel de André Garolli) e precisa convencê-lo a avaliá-la de qualquer jeito.

Andre Garolli e Bárbara Paz em "Vênus em Visom": a atriz e o diretor de teatro ( Foto: Evelson de Freitas)

Andre Garolli e Bárbara Paz em “Vênus em Visom”: a atriz e o diretor de teatro ( Foto: Evelson de Freitas)

Há duas semanas, eu finalmente vi “Meu Amigo Hindu”, o filme de Babenco lançado no começo do ano, um testamento em nome do amor ao cinema e também às suas mulheres. O realizador diz que ali estão apenas alguns fatos inspirados em sua biografia e nada é tão real assim. Difícil de acreditar. O personagem central (o ator Willem Dafoe) é um cineasta estrangeiro radicado no Brasil que luta contra um câncer. O fato é que as associações são inevitáveis e, na cena final, quando o protagonista ensaia uma recuperação na vida profissional e no amor é Bárbara quem surge para iluminá-lo. A atriz, molhada de chuva e com a roupa colada ao corpo, dança ao som de “Singin’in The Rain”, do clássico com Gene Kelly. Se em “Meu Amigo Hindu”, o personagem de Selton Mello representa a morte, Bárbara é a vida que chegou para Babenco nessa década final.

Quer saber mais sobre teatro? Clique aqui.

Continua após a publicidade
Publicidade