Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês
Bom Trabalho Por Blog Dicas de como resolver dilemas profissionais e acelerar sua carreira

Hábitos que podem arruinar sua carreira

Tem a sensação de que está empacado, sem perspectivas de crescimento na companhia? Ou que seus pares têm se destacado mais que você? Em boa parte das vezes, é o próprio executivo o responsável por dinamitar a evolução de sua carreira. Em vez de ficar procurando culpados ao seu redor, preste atenção nos hábitos que […]

Por sergioluz Atualizado em 25 fev 2017, 21h37 - Publicado em 17 out 2016, 12h27

executivobravoTem a sensação de que está empacado, sem perspectivas de crescimento na companhia? Ou que seus pares têm se destacado mais que você? Em boa parte das vezes, é o próprio executivo o responsável por dinamitar a evolução de sua carreira. Em vez de ficar procurando culpados ao seu redor, preste atenção nos hábitos que costumam minar as perspectivas de ascensão de bons profissionais do mercado:

Não saber quais as suas três principais metas – Escuto muita gente dizendo que trabalha horas a fio, que chega no escritório muito cedo e é um dos últimos a sair. E que ainda assim não é valorizado. Desculpe, mas se matar no trabalho diariamente por horas a fio não quer dizer absolutamente nada, a não ser falta de organização. A pergunta que deve ser feita é se, ao final de um dia de trabalho, você cumpriu o que tinha sido definido como ações que vão ajudar você e ao seu time bater as metas estipuladas. Se não tem essa resposta, de nada adianta ficar vinte horas no escritório.

Virar o defensor dos fracos e oprimidos – O brasileiro gosta de ajudar ao próximo. Nada de mal nisso, é uma das nossas virtudes. Dentro do escritório, no entanto, é preciso tomar cuidado. A não ser que você seja diretamente parte do problema e possa ajudar a resolver a situação, virar o ombro amigo para todos que querem reclamar da empresa e comprar todas as brigas e insatisfações de seus colegas podem  prejudicar sua carreira. Existe um risco de você ser visto como alguém que, além de adorar uma fofoca, gosta de falar mal da empresa.  Ser procurado dentro da organização é um bom sinal, mas a sugestão aqui é SEMPRE sugerir para quem está com problemas que reclame de forma clara para o gestor imediato sobre suas insatisfações.

Demonstrar suas emoções a todo momento – Muitos profissionais com excelente capacidade técnica não são promovidos por serem emocionalmente instáveis. São aquelas pessoas capazes de demonstrar suas insatisfações dando berros, de criticar os gestores na hora do cafezinho da tarde, de mandar e-mails desaforados, de fechar a cara na reunião etc. Demonstrar suas emoções pontualmente é positivo. Por outro lado, agir desse jeito com frequência não tem outro efeito do que mostrar aos demais colegas que você não consegue se controlar emocionalmente. Insatisfações e decepções fazem parte do dia a dia. A forma de lidar com esse tipo de problema é o que irá demonstrar para a empresa o seu preparo e capacidade de assumir desafios maiores.

 Ser o pai de todos os filhos bonitos – Esse costume infelizmente também é normal. “Esse projeto fui eu quem fiz”, quando na verdade ele participou do negócio fazendo parte de um time. Ao integrar um projeto bem-sucedido, o profissional que é seguro de si e maduro faz questão de parabenizar o esforço de todos os que participaram do projeto, mesmo que ele tenha sido o líder. Até porque o líder não precisa provar o tempo inteiro a sua capacidade de realização.

Exageros no discurso – Às vezes quando quer chamar a atenção ou valorizar suas ações, um profissional costuma exagerar dizendo coisas como “Mês passado todos os clientes me ligaram reclamando que o nosso produto está péssimo, que o da concorrência é muito melhor, mas já tomei as providencias, e hoje o nosso produto é o melhor de todos…” Por mais que clientes tenham reclamado e você tenha tomado providencias, o que é ótimo, é importante  trabalhar com fatos e dados na hora de lidar com problemas. Exagerar no discurso mostra desespero, o que não é uma atitude de alguém que quer crescer na organização.

Continua após a publicidade
Publicidade