Clique e assine por apenas 5,90/mês
Bichos Tudo sobre o mundo pet por Veja São Paulo. Quer sugerir uma pauta? Envie para alice.padilha@abril.com.br

Setembro vermelho: doenças cardíacas em cães e gatos não têm cura

Diagnóstico precoce é essencial para prolongar a vida do animal

Por Alice Padilha - Atualizado em 17 set 2020, 13h15 - Publicado em 18 set 2020, 06h00

Neste mês acontece o Setembro Vermelho, para conscientizar tutores sobre a prevenção de doenças cardíacas em cães e gatos. “Em cachorros de pequeno porte, como malteses e poodles, a mais comum é a doença valvar degenerativa. Entre os maiores, como pastor-alemão e bóxer, a cardiomiopatia dilatada. E, para os gatos, a cardiomiopatia hipertrófica”, explica a veterinária Paula Andreucci, especialista em animais de pequeno porte da clínica SPet.

+Assine a Vejinha a partir de 6,90 

Além de fatores genéticos, entre cães é comum que essas doenças se manifestem a partir dos 8 anos. Elas não têm cura, apenas tratamento com medicação. Por isso, para alongar a expectativa de vida, é ideal que sejam diagnosticadas no início.

Check-ups anuais, com exames de sangue, eco e eletrocardiograma, são indispensáveis, principalmente para os felinos. “No caso deles, a doença é assintomática e pode levar à tromboembolia nas pernas, paralisando o gato”, alerta Eduardo Pacheco, da comissão de clínicos de pequenos animais do Conselho Regional de Medicina Veterinária.

Publicado em VEJA São Paulo de 23 de setembro de 2020, edição nº 2705.

Continua após a publicidade
Publicidade