Meu cão come as próprias fezes. O que fazer?

O zootecnista Alexandre Rossi dá a resposta

Quando um cão ingere as próprias fezes ou de outros animais (como dos gatos), dizemos que ele apresenta coprofagia.

Pode parecer algo absolutamente nojento sob nosso ponto de vista, mas é um comportamento natural em outros animais, como para roedores e alguns primatas não-humanos.

Por que ocorre em cães?

A coprofagia pode estar associada à deficiência de alguns nutrientes ou até à presença de vermes. Portanto, é importante que o pet passe por uma consulta veterinária para que se averigue se está tudo bem com a saúde dele.

Cadelas com filhotes comem as fezes do ninho para mantê-lo limpo. E filhotes podem também brincar com o cocô, comportamento que tende a desaparecer à medida que crescem.

Além disso, a falta de atividades e exercícios físicos também pode ser uma das causas da coprofagia.

Outro motivo pode ser a supervalorização das fezes pelo tutor. Mas como seria possível? Em muitas situações, para evitar o comportamento coprofágico, o tutor praticamente disputa as fezes com o cão, ou seja, corre para recolher assim que o pet se alivia. Esta situação pode aumentar o interesse do cachorro pelas próprias fezes.

O que fazer

A coprofagia deve ser analisada sob vários ângulos, verificando-se como anda a rotina e o ambiente onde o cão está inserido. A primeira medida é estabelecer uma rotina de exercícios e atividades com o cachorro e também caprichar no que se denomina enriquecimento ambiental, ou seja, deixar o local onde ele fica repleto de coisas para ele fazer.

Além disso, é importante não dar atenção às fezes do cão e recompensá-lo pelos acertos longe do local onde ele defecou, antes que ele sequer pense em ingerir as fezes. Borrifar nas fezes substância amarga própria para repelir animais pode fazer com que o cão cheire os excrementos e não tenha mais interesse na ingestão.

O veterinário que pode indicar também a utilização de algum medicamento que torne as fezes menos palatáveis. Uma outra dica é oferecer mamão, que contém papaína, uma enzima conhecida por digerir proteína.

Se o cachorro mostra interesse pelas fezes dos gatos da casa, o ideal é impedir o acesso deles às caixas de areia, que podem ser posicionadas em locais mais altos ou dentro de móveis criados para este fim, onde somente o gato consiga acesso.

E o segredo principal: muita paciência para entender o que está motivando o cachorro a adotar este comportamento, para daí então tomar as medidas necessárias!

Por Alexandre Rossi, zootecnista, especialista em comportamento animal e sócio-fundador da Cão Cidadão.

Alexandre Rossi, zootecnista

Alexandre Rossi, zootecnista (Divulgação/Divulgação)

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s