Clique e assine por apenas 6,90/mês
Arte ao Redor Tatiane de Assis é repórter da Veja SP. Acredita que as artes visuais podem aproximar pessoas e descortinar novas facetas da vida.

Zona Oeste ganha mais dez murais em laterais de prédio

Em Pinheiros, novas obras foram financiadas pelo Na Lata Festival, e artistas trabalharam com equipe e horário reduzidos por causa da pandemia

Por Tatiane de Assis - Atualizado em 7 ago 2020, 11h57 - Publicado em 7 ago 2020, 06h00

São Paulo ganhou mais dez murais em laterais de prédios no bairro de Pinheiros, na Zona oeste. São produções financiadas pelo Na Lata Festival. A primeira edição sobreviveu à pandemia, ainda que com baixas: foram cancelados workshops, oficinas e bate-papos. “Não foi uma decisão fácil. Reunimos todos os artistas e perguntamos se eles se sentiam confortáveis para pintar durante a pandemia. Com a resposta positiva, seguimos com a realização das obras”, afirma Luan Cardoso, um dos idealizadores. Ele lista como protocolos de saúde o uso de máscaras e luvas, a redução da equipe e a diminuição no horário de trabalho dos envolvidos.

Trabalhos de Gleo e Pri Barbosa (da esq. para a dir.): autoria feminina Bernardo Bastos/Veja SP

No time recrutado por ele, que também foi curador do evento, estão a brasileira Pri Barbosa e a mexicana Gleo, que assinam os murais vistos na foto acima. O casal formado pela mexicana Paola Delfín e o brasileiro Mateus Bailon, por sua vez, é responsável pelo painel em tons de cinza, branco e preto na imagem abaixo. o grandalhão tem 36 metros de altura e cerca de 10 metros de largura. A previsão é que ele seja finalizado até sexta (14). “Esses murais não têm o objetivo de colorir a cidade, mas de trazer diferentes estilos e visões para o espaço urbano”, diz Bailon sobre a escolha da paleta de cores.

Obra de Paola Delfín e Mateus Bailon: paleta em cinza, preto e branco Bernardo Bastos/Veja SP

+Assine a Vejinha a partir de 6,90

Quanto à visitação das obras, Cardoso adverte: “Não precisa ter pressa para ver, elas vão ficar lá, no mínimo, por um ano”. Para quem está ansioso, vai uma ajudinha: é possível ver alguns painéis no perfil @nalata.festival.

Publicado em VEJA SÃO PAULO de 12 de agosto de 2020, edição nº 2699.  

Continua após a publicidade
Publicidade