Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês
Arte ao Redor Tatiane de Assis é repórter da Veja SP. Acredita que as artes visuais podem aproximar pessoas e descortinar novas facetas da vida.

Livro fala da rejeição ao gênero da natureza-morta

Título é desdobramento da dissertação de mestrado da pesquisadora Raisa Pina

Por Tatiane de Assis 27 nov 2020, 15h54

O livro A Longa Vida da Natureza Morta (Editora Appris, R$ 59,00) é um desdobramento da dissertação de mestrado da pesquisadora Raisa Pina. O estímulo acadêmico que deu início à investigação sobre o gênero da natureza-morta, conhecido pela presença de flores, frutas e outros alimentos inanimados, não se traduziu, contudo, em uma linguagem hermética, atrativa somente para quem já frequenta museus e universidades.

O cerne do livro se relaciona com apontamentos sobre a rejeição desse gênero ao longo do tempo na história da arte. Uma das justificativas mais disseminadas, de que o desafio na representação dos objetos seria menor do que em cenas históricas, também ganha companhia de outra causa menos nobre. Uma ojeriza escamoteada do ambiente doméstico, historicamente identificado como feminino e considerado por isso menos importante.

Obrigada pela visita! Volte sempre e deixe seu comentário. Aproveite para conferir minhas postagens no Instagram.

Publicidade