Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês
Arte ao Redor Tatiane de Assis é repórter da Veja SP. Acredita que as artes visuais podem aproximar pessoas e descortinar novas facetas da vida.

Eternamente vanguarda: Maria Martins ganha exposição no Masp

Celebrada no exterior, terá 45 de suas esculturas e gravuras no museu paulistano

Por Tatiane de Assis Atualizado em 7 out 2021, 21h40 - Publicado em 8 out 2021, 06h00

Sempre volta a pergunta: “Por que Maria Martins não é tão celebrada no Brasil?”. A mineira, da cidade de Campanha, tem sua produção exibida de forma esparsa no país. A última exposição, em São Paulo, data de 2013, no Museu de Arte Moderna (MAM). Agora, o Masp, com curadoria de Isabella Rjeille, apresenta 45 obras, entre gravuras e esculturas. Maria teve seu trabalho elogiado entre os surrealistas e os dadaístas. André Breton (1896-1966), inclusive, escreveu o prefácio do catálogo de sua individual na Julien Lery Gallery, em Nova York. Ela também expôs junto com Mondrian (1872-1944) na cidade americana, em 1943.

escultura However, em bronze claro, no meio de salão no masp
Escultura However (1948), de Maria Martins, em exposição no Masp Eduardo Ortega/Divulgação
escultura o impossível em bronze
O Impossível (1940), escultura mais conhecida de Maria Martins: ousadia sempre Eduardo Ortega/Divulgação

Afora as validações internacionais, chama atenção a forma como Maria trabalha o bronze. Retorce, marca a carne dos personagens que cria, vide Uirapuru (1944), que nasce de sua aproximação com a cosmologia indígena. Quando a peça é lisa, polida, a tensão acaba. Mentira. Basta olhar para uma das versões de O Impossível (1940), a mais conhecida escultura de Maria. Ela nos convida a um embate, que congrega fúria, mas também desejo, tal qual o sexo (com consentimento) e uma conversa (quem sabe, né?). A outra versão da escultura, que tem “textura” distinta, também está na exposição. Nesta mostra, faltou “apenas” a terceira, parte do acervo do Museu de Arte de Nova York (MoMA).

> Masp. Avenida Paulista, 1578, ☎ 3149-5958. Quarta a domingo, 10h às 18h; Terça: 10h às 20h. R$ 50,00. Grátis às terças. Até 30 de janeiro.

+Assine a Vejinha a partir de 8,90.

Publicado em VEJA São Paulo de 13 de outubro de 2021, edição nº 2759

  • Continua após a publicidade
    Publicidade