Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês
Arte ao Redor Tatiane de Assis é repórter da Veja SP. Acredita que as artes visuais podem aproximar pessoas e descortinar novas facetas da vida.

Diário de Viagem: Pantanal ganha brilho em relato de Luciano Candisani

Fotógrafo conheceu o bioma quando tinha 15 anos, junto com o pai

Por Tatiane de Assis 13 mar 2020, 12h37

Aos 15 anos, o fotógrafo Luciano Candisani, de 49 anos, viajou pela primeira vez para o Pantanal com o pai. “Era o auge da caça aos jacarés. Para vê-los, tivemos de pegar um barco à noite. Com a luz dos faroletes, apareciam somente seus olhos brilhantes na escuridão”, relembra o paulistano. Essa imagem ressoaria anos mais tarde na escolha da fotografia documental. Em seu livro Pantanal na Linha-d’Água, publicado em 2012, o bicho aparece na capa, com a bocona cheia de dentes, submersa na água. Olhar além da vegetação desse bioma é outro ponto de interesse de Candisani, que vai além do registro direto de um cardume cintilante em Olho d’Água (acima; 2018).

Uma Nuvem de Tempestade sobre o Rio Touro Morto Luciano Candisani/Divulgação

“Quero pensar o Pantanal por meio de elementos da arte, como luz e composição, para assim trazer a realidade de uma forma mais forte”, detalha o fotógrafo, que também é o autor da foto Uma Nuvem de Tempestade sobre o Rio Touro Morto (à esq.; 2011). Ele prepara para agosto de 2020 um novo título, agora sobre o vai e vem das águas. Provisoriamente chamado de Pantanal: O Curso da Água, vai ter cerca de setenta fotografias.

View this post on Instagram

Onça-pintada. Pantanal, 2016. . Jaguar, Pantanal wetland, 2016 . @documentapantanal @thephotosociety #onça #Pantanal #lucianocandisani #candisani #onçapintada #jaguar #arte #art #wetlands #brazil

A post shared by Luciano Candisani (@lucianocandisani) on

Continua após a publicidade

View this post on Instagram

English below Em 2020 voltarei a trabalhar no Pantanal para um projeto de livro. E ao percorrer os meus arquivos para uma pesquisa sobre o tema, revisitei muitos imagens interessantes do trabalho “The comeback croc” , que fiz para a National Geographic na região .Momentos como esse aqui acima. O jacaré veio curioso com a movimentação na água mas deu meia volta ao se assustar com a minha presença . Novidades em breve sobre essa nova incursão fotográfica na maior planície alagável do planeta. . ………….. In 2020 I will be back in Pantanal wetland for a book project. And as I scrolled through my files for a survey on the topic, I revisited many interesting images of the work "The comeback croc", which I did for National Geographic in the region . Moments like this one up here. The came came curious about the movement in the water but turned around when it was frightened by my presence. News about this new photographic journey into the largest floodplain on the planet coming soon. . @thephotosociety @documentapantanal @vento.leste #pantanal#lucianocandisani#candisani#fotografia#wildlifephotography #underwaterphotography #caiman#jacare#conservationphotography #animals #arte #art#wetlands#eetland#jacares#rios#rivers#croc#crocs#nationalgeographic#diving#aventura#divingadventure#water#freshwater #água#águas @galeria_de_babel

A post shared by Luciano Candisani (@lucianocandisani) on

Continua após a publicidade
Publicidade