Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês
Arte ao Redor Tatiane de Assis é repórter da Veja SP. Acredita que as artes visuais podem aproximar pessoas e descortinar novas facetas da vida.

Artista pede ajuda para custear cirurgia de tia com tumor no cérebro

Devido à gravidade do caso, a senhora, de 70 anos, necessita fazer operação de forma particular, já que plano de saúde não cobre o procedimento

Por Tatiane de Assis Atualizado em 8 out 2020, 20h53 - Publicado em 8 out 2020, 20h50

“Olá! Minha tia Anerina está com um câncer no cérebro, um tumor maligno que já está grande e precisa de cirurgia urgente. Por conta da urgência e risco de vida, temos que operar pela rede privada hospitalar, o convênio da minha tia não cobre os custos da cirurgia do especialista e nem os cuidados pós-operação”, diz o parágrafo que inicia o texto da campanha colaborativa para financiamento da operação da tia de Daniel Lie, artista da cidade de São Paulo.

O valor a ser alcançado na campanha é de 55 000 reais. Até agora, as doações chegaram a 25 940 reais. O detalhamentos dos gastos está em outra parte do texto: “Precisamos arrecadar 40 000 reais para a cirurgia e 15 000 reais para o pós-operatório, que inclui o serviço de um cuidador, remédios, cuidados intensivos e taxas do Vakinha (site usado para reunir as doações). Minha família irá  pegar um empréstimo para fazer a operação o mais rápido possível e essa campanha é para poder pagar o empréstimo.”

Há recompensas de acordo com o valor doado (confira aqui), mas se ressalta também no texto a necessidade de compartilhamento da campanha pelas redes sociais. A relação de Daniel Lie com a tia vai além de gestos e carinhos comuns às famílias e alcança também sua produção artística. Tia Anerina foi uma das parceiras artísticas de Lie na obra Centro de Morte para Seres com Vida (2018), exibida no Sesc Belenzinho.

“Estou confiante em relação à campanha. Essa é também uma forma de muita gente desejar melhora a ela, o que é muito importante no processo”, diz Lie, que já falou ao blogue Arte Ao Redor sobre sua ligação com a família. Parte de seu clã de origem mora na Zona Leste de São Paulo e têm ascendência indonésia e pernambucana.

Continua após a publicidade

Publicidade