Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês
Arte ao Redor Tatiane de Assis é repórter da Veja SP. Acredita que as artes visuais podem aproximar pessoas e descortinar novas facetas da vida.

Arte nos 467 anos de São Paulo: conheça sete obras sobre a terra da garoa

Veja o quadro de Germana Monte-Mór, fotografias de Bárbara Bragato e Diego Aliados, murais de Celso Gitahy e Simone Siss e a tela de Caligrapixo

Por Tatiane de Assis Atualizado em 22 jan 2021, 16h58 - Publicado em 22 jan 2021, 06h00

“Essa pintura me remete a São Paulo porque ela é fragmentária. E a cidade é assim, ela não é uma coisa única, é um somatório”, define a artista Germana Monte-Mór. De fato, a forma como ela vê a terra de mais de 12 milhões de habitantes, vindos de diferentes partes do Brasil, dialoga com a tela de 2020.

Obra com vários retângulos coloridos e linhas atravessando eles
Fragmentação vibrante: a obra da artista Germana Monte-Mór João Libetato/Divulgação

A fotógrafa Bárbara Bragato traz em Planalto (2019) o interior do edifício homônimo de Artacho Jurado (1907-1983). “Era uma casa de uma amiga”, explica ela, que tem na vida e por conseguinte na imagem uma visão múltipla da capital. “Por meio do vidro, vemos se fundindo os prédios e também árvores.”

Uma espécie de sala de estar com a imagem meio borrada por um reflexo de outra sala por cima, tudo em preto e branco
Várias em uma: Planalto, a obra de Bárbara Bragato Bárbara Bragato/Divulgação

O carioca Claudio Edinger traz em uma de suas fotos São Paulo em meio a uma tempestade, cena corriqueira na capital nos meses de dezembro e janeiro. “Uma coisa genial daqui é também a variedade de climas. No inverno, tem verão. No verão, tem inverno. Só falta agora nevar”, brinca.

Um flagra de raios sobre a cidade de São Paulos
Só falta nevar: fotografia de Claudio Edinger Claudio Edinger/Divulgação

+Assine a Vejinha a partir de 6,90.

Tvnauta no Deserto (2020) é o nome do mural feito pelo artista Celso Gitahy em um prédio na esquina da Avenida Brigadeiro Luiz Antônio com a Rua Treze de Maio. “Ele representa essa espécie de hipnose coletiva que vivemos em São Paulo. Tem tudo aqui, mas não é acessível a todas as pessoas”, aponta.

Continua após a publicidade
Mural feito em um prédio. Um astronauta com cabeça de televisão.
São Paulo acessível: Tvnauta no Deserto é o nome do mural feito por Celso Gitahy Rafael Buosi/Veja SP

De norte a sul, de oeste a leste, a cidade é um grande filme para o fotógrafo Diego Aliados, um dos muitos nomes talentosos vindos do Grajaú. Na foto ao lado, de 2020, ele clica um entregador de bicicleta trabalhando protegido por uma capa em meio à chuva torrencial. Cena típica de uma cidade que não para.

Homem andando em uma bicicleta no meio da rua durante a chuva. Preto e branco.
Faça chuva ou sol: fotografia de Diego Aliados Diego Aliados/Divulgação

A tela de 2018 do artista Caligrapixo traz, de modo estilizado, as letras da pichação vistas nos muros e prédios da cidade. “As cores da minha paleta e as camadas que utilizo nas telas também guardam o modo como eu me relaciono com a paisagem urbana”, afirma o paulistano, morador de São Mateus.

Tela caligrafada do artista Caligrapixo
SP Caligrafada: a tela de Caligrapixo Divulgação/Divulgação

Máscara (2020) é um mural de Simone Siss feito na Vila Leopoldina, em um evento chamado 100 Minas na Rua. Devido à pandemia, a ação anual teve de ser feita em rodadas para não gerar aglomeração. “Estava muito preocupada, foi o meu jeito de falar com as pessoas, com a cidade”, diz ela.

Mural em que duas mão mantém uma máscara estendida. Em baixo da imagem está escrito
Sem medo: Máscara, o mural de Simone Siss Divulgação/Divulgação

+Assine a Vejinha a partir de 6,90.

Publicado em VEJA São Paulo de 27 de janeiro de 2021, edição nº 2722

  •  

    Continua após a publicidade
    Publicidade