Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês
Blog do Lorençato Por Arnaldo Lorençato O editor sênior Arnaldo Lorençato é crítico de restaurantes há 29 anos. De 1992 para cá, fez mais de 15 000 avaliações. Também é autor do Cozinha do Lorençato, um podcast de gastronomia, e do Lorençato em Casa, programa de receitas em vídeo. O jornalista leciona na Universidade Presbiteriana Mackenzie

Memória: há quase 50 anos no mesmo ponto, Sushiguen foi demolido

O restaurante fundado pelo chef japonês Mitsuaki Shimizu (1946-2017) deve entrar em reforma e tem previsão de ficar pronto no início de 2022

Por Arnaldo Lorençato Atualizado em 8 out 2021, 23h29 - Publicado em 8 out 2021, 06h00

Quem passou recentemente pela galeria comercial no térreo do Edifício Barão de Ouro Branco, de frente para a Avenida Paulista, levou um susto. O ponto ocupado há quase cinco décadas pelo tradicional restaurante japonês Sushiguen foi completamente demolido.

Há algum tempo com problemas de hidráulica, o imóvel era alvo de frequentes queixas dos condôminos do prédio. Foi assim que os atuais proprietários decidiram por abaixo as instalações distribuídas em dois pavimentos para promover uma renovação completa.

“O Sushiguen, aberto em 1974, nunca passou por uma reforma, só por ajustes de problemas pontuais”, conta Julio Shimizu, sobrinho do fundador, o sushiman Mitsuaki Shimizu (1946-2017), que fez história na cidade com seu famoso tirashizushi, um sushi numa caixa de laca com pescados por cima do arroz, até hoje o prato mais pedido do cardápio.

“Pusemos tudo abaixo para começar do zero, com um salão vazio”, explica o cozinheiro e empresário que tem como sócios dois dos três filhos de Mitsuaki, Hideto e Takeshi, também sushimen — a outra filha, Karen, fabrica a cerveja Shimizu.

Na foto, tirada em 2008, posa a então equipe de sushimen, composta por Julio Shimizu, dois ex-funcionários (André Ide e Hiroshi Ota) e o fundador, Mitsuaki Shimizu
A equipe: Julio Shimizu, dois ex-funcionários (André Ide e Hiroshi Ota) e o fundador, Mitsuaki Shimizu Sushiguen/Divulgação

A mudança radical tem a intenção de deixar o espaço mais confortável para os clientes, se tudo der certo, a partir de janeiro de 2022. A cozinha, por exemplo, vai para o pavimento superior, onde haverá também uma sala privativa.

O número de lugares tem previsão de ser reduzido dos antigos 86 para 75 assentos. Só se conservará o balcão original, que será apenas repaginado, assim como detalhes da decoração.

“O investimento será de mais de meio milhão de reais. A marcenaria em estilo japonês é muito cara”, diz Julio. Enquanto o novo Sushiguen não fica pronto, os pratos podem ser saboreados no Washoi, restaurante mais simples na mesma galeria, que também pertence a Julio Shimizu. Além disso, a clientela pode matar a saudade dos sushis, hoje preparados por Takeshi Shimizu, via delivery.

Continua após a publicidade

Assine a Vejinha a partir de 8,90 mensais

Valeu pela visita! Para me seguir nas redes sociais, é só clicar em:

Facebook: Arnaldo Lorençato

Instagram: @alorencato

Twitter: @alorencato

Para enviar um email, escreva para arnaldo.lorencato@abril.com.br

 

Assine a Vejinha a partir de 8,90 mensais

  • Continua após a publicidade
    Publicidade