Clique e assine por apenas 6,90/mês
Blog do Lorençato Por Arnaldo Lorençato O editor sênior Arnaldo Lorençato é crítico de restaurantes há 28 anos. De 1992 para cá, fez mais de 15 000 avaliações. Também é autor do Cozinha do Lorençato, um podcast de gastronomia, e do Lorençato em Casa, programa de receitas em vídeo. O jornalista leciona na Universidade Presbiteriana Mackenzie

Refeições memoráveis em 2012: Clandestino

Pena que seja apenas uma vez por semana e para um número reduzido de pessoas — são apenas vinte clientes a cada noite. Toda quinta, a chef Bel Coelho prepara um jantar especial no piso superior de seu restaurante, o Dui, que passa a se chamar Clandestino. Se falássemos de moda, esse seria um jantar de alta […]

Por Arnaldo Lorençato - Atualizado em 27 fev 2017, 11h43 - Publicado em 19 dez 2012, 17h39

Bel: menu preparado por ela diante dos clientes na cozinha envidraçada somente no jantar de quinta (Foto: Arnaldo Lorençato)

Pena que seja apenas uma vez por semana e para um número reduzido de pessoas — são apenas vinte clientes a cada noite.

Toda quinta, a chef Bel Coelho prepara um jantar especial no piso superior de seu restaurante, o Dui, que passa a se chamar Clandestino. Se falássemos de moda, esse seria um jantar de alta costura.

Diante dos clientes em uma cozinha envidraçada, a própria Bel finaliza e expede a série de doze pratos que compõem o atual menu dedicado aos orixás. É um trabalho formidável pelo rigor de pesquisa e pela explosão de sabores, um Brasil revisitado por quem está antenada com as modernas técnicas de cozinha, em especial as espanholas. Custa 195 reais por pessoa e as reservas são indispensáveis. O último jantar deste ano será amanhã. Depois, só em 3 de janeiro.

Algumas sugestões grudam na memória do paladar e lá permanecem seja pela ousadia da criação, seja pela harmonia de sabores, seja pela beleza da apresentação.

Continua após a publicidade

É o caso do robalo dedicado à Iemanjá. Depois do cozimento em baixa temperatura passa pela grelhado e recebe a companhia de areia de coco e pérolas de leite de coco e capim-santo. Para a entidade vaidosa em vez de pratos, a receita vem em um espelho. Outro exemplo, Nanã, a anciã entre os orixás, é reverenciada pelo bombom de sarapatel cuja intensidade é refreada pela adição de jabuticaba. De enfeito, brotos de agrião.

Foi por esse menu exclusivo que dei a Bel Coelho o meu voto de chef do ano na última edição especial “Comer & Beber”.

Resta aguardar pelo que a cozinheira fará na próxima temporada.

Esse é o primeiro texto dedicado a uma série de cinco refeições memoráveis que fiz neste ano.

Veja alguns dos pratos que integram o menu:

#gallery-2 {
margin: auto;
}
#gallery-2 .gallery-item {
float: left;
margin-top: 10px;
text-align: center;
width: 25%;
}
#gallery-2 img {
border: 2px solid #cfcfcf;
}
#gallery-2 .gallery-caption {
margin-left: 0;
}
/* see gallery_shortcode() in wp-includes/media.php */

Continua após a publicidade
Publicidade