Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês
Blog do Lorençato Por Arnaldo Lorençato O editor sênior Arnaldo Lorençato é crítico de restaurantes há 28 anos. De 1992 para cá, fez mais de 15 000 avaliações. Também é autor do Cozinha do Lorençato, um podcast de gastronomia, e do Lorençato em Casa, programa de receitas em vídeo. O jornalista leciona na Universidade Presbiteriana Mackenzie

Outra baixa: o contemporâneo Mobili fechou em dezembro

Mais um restaurante engrossa a estatística dos extintos de 2012. O pequeno e moderninho Mobili permaneceu aberto somente até 23 de dezembro, pouco depois de completar seis meses de funcionamento. “A decisão de fechar foi tomada durante as férias coletivas”, conta o chef e sócio Daniel Oppenheim. “Mas não desisti do projeto. Quero que o […]

Por Arnaldo Lorençato Atualizado em 27 fev 2017, 11h33 - Publicado em 24 jan 2013, 12h53

Oppenheim, chef do Mobili: “quero que o restaurante renasça em outro lugar” (Foto: Marco Pinto)

Mais um restaurante engrossa a estatística dos extintos de 2012. O pequeno e moderninho Mobili permaneceu aberto somente até 23 de dezembro, pouco depois de completar seis meses de funcionamento. “A decisão de fechar foi tomada durante as férias coletivas”, conta o chef e sócio Daniel Oppenheim. “Mas não desisti do projeto. Quero que o Mobili renasça em outro lugar.” Para levar o estabelecimento para outro endereço, o chef está em contato com dois grupos de investidores. “Acredito que dessa forma possa tornar o Mobili uma estrutura mais profissional.”

Esse era o segundo restaurante montado no mesmo ponto pela família Oppenheim, que anteriormente teve o Biboca. Com os dois negócios, Daniel calcula ter perdido 1 milhão de reais. Perguntei a ele qual o problema do restaurante, já que o menu tinha méritos. Como aconteceu com o Figurati, fechado no último dia 13, o cozinheiro culpa o ponto. Entre os problemas detectados por ele naquela quadra da Alameda Lorena, estão o trânsito intenso e a dificuldade para estacionar.

Salão : decoração simples com um toque moderninho (Foto: Fernando Moraes)

“O trecho da rua é ruim para quem quer fazer uma proposta mais gastronômica. Funcionaria bem para almoços executivos ou para uma temakeria, por exemplo”, acredita. Também aposta que outros ramos de negócios podem funcionar sem transtornos. “Minha vizinha, que tem uma sex shop de luxo, está indo superbem”, garante.

 + Figurati serviu o último macarrão no domingo

+ Armanda fecha as portas antes de completar um ano

+ A dança das panelas em vários restaurantes paulistanos

Continua após a publicidade
Publicidade