Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês
Blog do Lorençato Por Arnaldo Lorençato O editor sênior Arnaldo Lorençato é crítico de restaurantes há 29 anos. De 1992 para cá, fez mais de 15 000 avaliações. Também é autor do Cozinha do Lorençato, um podcast de gastronomia, e do Lorençato em Casa, programa de receitas em vídeo. O jornalista leciona na Universidade Presbiteriana Mackenzie

MasterChef Profissionais 2 final: Francisco X Pablo

Menu autoral em seis etapa é a prova que vai ocupar todo o episódio

Por Arnaldo Lorençato Atualizado em 5 dez 2017, 18h34 - Publicado em 5 dez 2017, 18h30

MasterChef Profissional visual existe, sim. Essa era proposta da semifinal na semana passada. Na primeira prova, os participantes deveriam fazer pratos deslumbrantes. Um trio de fotógrafos foi escolhido para escolher o melhor apenas pelo apelo estético. Claro que a prova não poderia ficar só nisso e seguiu-se depois uma escolha do sabor com participação dos jurados Paola Carosella (Arturito e La Guapa Empanadas), Erick Jacquin (Tartar & Co e Le Bife) e Henrique Fogaça (Sal GastronomiaJamileAdmiral’s Place e Cão Véioe ainda da minha querida Ana Paula Padrão.

Pablo: criações avaliadas pelos jurados Carlos Reinis/Band/Divulgação

Quem ganhasse as duas etapas dessa primeira contenda, estava automaticamente na final. Não teve jeito. Irina e Pablo dividiram a vitória e foram enfrentar o Francisco na eliminatória.

Em seguida, o teste não era dos mais fáceis. Os competidores foram obrigados a preparar um turducken. Traduzindo: um peru recheado de galinha e de pato.

Francisco levou Paola às lágrimas ao servir o assado. Aliás, a cozinheira argentina  estava uma manteiga derretida nessa reta final. O profissional cearense radicado em São Paulo foi anunciado o vencedor, calçou as sandálias da humildade e fez um discurso comovente para a galera que torce para ele. Chamou o trio de jurados de chef, coisa que não tinha feito antes e garantiu que aprendeu muito com eles.

Não foi só isso. Essa etapa deu ainda o que falar por causa da eliminada. Irina, favorita do público, levou a pior. Para piorar, o grandalhão Pablo queimou a pele da ave, o que gerou protestos dos fãs da rival. Também ficamos sabendo que ela trabalhou como sommelière no La Brasserie de la Mer, em Natal, cerca de cinco anos atrás.

Segunda edição profissional: disputa masculina Carlos Reinis/Band/Divulgação

No programa de hoje, sobrará testosterona, já que não temos nenhuma das boas participantes no ringue culinário. Para o nocaute, a fórmula é manjada, como sempre acontece em todas as edições. O confronto exige que os participantes façam um menu degustação autoral. São duas entradas, dois pratos principais e duas sobremesas.

Soube que um dos participantes vai de foie gras, enquanto o outro prefere fígado de galinha. Há ainda uma segunda entrada, mas os resultados são díspares. Quem será que se deu bem? Vai saber quem assistir ao programa.

Continua após a publicidade
Francisco: sob o olhar atento de Paola Carlos Reinis/Band/Divulgação

O primeiro prato da noite é um peixe. Um competidor faz um robalo e o outro se arrisca com uma truta. Em seguida, é vez de rivalizar carré de vitelo e com língua bovina.

As surpresas e definições da noite aparecem na sobremesa. São os doces que vão conquistar o paladar dos julgadores e merecer os maiores elogios.

Contado assim, parece tudo muito tranquilo. Mas não faltarão perrengues e frio na barriga. Rola que espumas não dão ponto, um nhoque fica mole demais, o nitrogênio líquido acaba queimando as mãos de alguém. Ou seja, não vai faltar stress. Não vai emoção, nessa típica final MasterChef.

Confira os participantes:

Veja São Paulo/Veja SP
  •  

     

    Continua após a publicidade
    Publicidade