Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês
Blog do Lorençato Por Arnaldo Lorençato O editor sênior Arnaldo Lorençato é crítico de restaurantes há 28 anos. De 1992 para cá, fez mais de 15 000 avaliações. Também é autor do Cozinha do Lorençato, um podcast de gastronomia, e do Lorençato em Casa, programa de receitas em vídeo. O jornalista leciona na Universidade Presbiteriana Mackenzie

Gastronomia Descolada: um papo com Marcos Livi

O restaurateur gaúcho é sócio da Napoli Centrale, boa pizzaria no Mercado de Pinheiros, onde o achado é a informalidade de comer usando apenas as mãos

Por Arnaldo Lorençato Atualizado em 12 fev 2021, 22h50 - Publicado em 12 fev 2021, 11h19
Gastronomia Descolada - Marcos Livi
Arquivo Pessoal/Denison Fagundes/Veja SP

Gaúcho de São Francisco de Paula, o empresário Marcos Livi escolheu São Paulo para montar vários negócios gastronômicos. Dentre eles chama a atenção a Napoli Centrale, instalada no Mercado Municipal de Pinheiros. “Foi a primeira pizzaria de São Paulo que só abria para o almoço. O mercado fechava às 5 da tarde”, diz. Nada da pizza típica paulistana. Menos ainda da gaúcha. A receitas segue o clássico estilo de Nápoles, cidade italiana que é o berço da pizza, com coberturas individuais.

A grande experiência na Napoli Centrale, aliás, como se faz na Itália, é comer usando apenas as mãos pizzas servidas sobre um papel craft. Livi acredita que o fato de estar num entreposto contribui para a informalidade da refeição. “O mercado público é inclusivo, aberto e democrático”, sublinha. No cardápio há boas coberturas, como a de abobrinha assada com queijo de cabra e tomatinho, secundada pela margherita, a clássica combinação de molho de tomate, muçarela de búfala e manjericão.

Achados ELO - Napoli Centrale
As pedidas da pizzaria de balcão: tradição napolitana Clayton Vieira/ELO/Divulgação

Foi o sócio o Gil Guimarães, dono da premiada Baco, em Brasília, quem desenvolveu a massa que se transforma apenas em discos individuais e calzones fritos. Para alcançar um resultado tão excepcional, que coloca a Napoli Centrale entre as melhores pizzaria da capital paulista, Livi explica que usa a fermentação natural, embora não tenha um ambiente com temperatura controlada, o ideal nesse caso. “Controlamos a temperatura externa. Mas para ter uma boa farinha, sal, fermento, água e carinho. Nossos masseiros são muito bem treinados”, elogia a equipe.

Sobre o fato de dispensar talhares, o restaurateur recorda-se de uma conversa que tive com ele logo durante a premiação da edição especial COMER & BEBER, quando o Napoli Centrale faturou o título de Bom e Barato em Comidinhas. Ele garante: “Na premiação da Veja, tu me falou e eu gravei e uso. Tu disse assim: ‘não é sustentável em uma degustação milhares de talheres e não é sustentável milhares de copos em uma mesa. O ritual não pode se sobrepor ao alimento. Perde-se o objetivo de estar à mesa.”

Preocupado com a sustentabilidade, Livi não vê sentido que uma degustação, seja ela em 25 ou em 10 etapas, gere uma a quantidade de louça e de talheres para lavar. “Como aprendo rápido, apliquei em tudo, não só pizzaria. Faz jantares de 10 tempos com dois pares de talheres”, afirma o sócio ainda dos bares Verissimo e Quintana e da lanchonete e polo gastronômico Distrito Urbano, entre outros negócios.

Continua após a publicidade

Para escutar essa conversa bacanuda, dá o play:

 

Assine a Vejinha a partir de 6,90 mensais

Valeu pela visita! Para me seguir nas redes sociais, é só clicar em:
Facebook: Arnaldo Lorençato

Instagram: @alorencato
Twitter: @alorencato

Para enviar um email, escreva para arnaldo.lorencato@abril.com.br

Caderno de receitas:
+ Fettuccine alfredo como se faz em Roma

  • Continua após a publicidade
    Publicidade