Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês
Blog do Lorençato Por Arnaldo Lorençato O editor sênior Arnaldo Lorençato é crítico de restaurantes há 29 anos. De 1992 para cá, fez mais de 15 000 avaliações. Também é autor do Cozinha do Lorençato, um podcast de gastronomia, e do Lorençato em Casa, programa de receitas em vídeo. O jornalista leciona na Universidade Presbiteriana Mackenzie

Alex Atala e Rodrigo Oliveira conversam com Haddad sobre a revitalização do Mercado de Pinheiros e a comida de rua

A foto acima, publicada no Instagram de Rodrigo Oliveira, me deixou curioso. O chef do Mocotó e do Esquina Mocotó posou ao lado do prefeito Fernando Haddad e de Alex Atala, responsável pelo ótimo menu do D.O.M. e pela cozinha do brasileira Dalva e Dito, premiado como o melhor brasileiro pela edição especial “Comer & […]

Por Arnaldo Lorençato Atualizado em 26 fev 2017, 23h42 - Publicado em 31 out 2013, 18h28
Rodrigo_Oliveira_Fernando_Haddad_Alex_Atala

Oliveira, Haddad e Atala: discussão sobre a gastronomia na cidade (Foto: Rodrigo Oliveira)

A foto acima, publicada no Instagram de Rodrigo Oliveira, me deixou curioso. O chef do Mocotó e do Esquina Mocotó posou ao lado do prefeito Fernando Haddad e de Alex Atala, responsável pelo ótimo menu do D.O.M. e pela cozinha do brasileira Dalva e Dito, premiado como o melhor brasileiro pela edição especial “Comer & Beber” de VEJA SÃO PAULO.

Conversei com os dois cozinheiros. A dupla teve esse primeiro encontro com o administrador do município para discutir temas ligados à gastronomia na cidade. “A grande voz é o Alex, que arquitetou esse encontro”, diz Oliveira.

“Fomos trocar ideias com o prefeito, que tem uma agenda voltada também para a gastronomia”, revela Atala. O cozinheiro premiado internacionalmente acredita que Haddad reconhece a importância do tema, capaz de gerar inclusão social, criação de empregos e arredação de impostos, por exemplo.

A alta cozinha quer andar de mãos dadas com o ambulante

Durante as quase duas horas de conversa, Atala e Oliveira abordaram assuntos como as responsabilidades e necessidades de quem trabalha com comida. Aproveitaram também para apresentar projetos do Instituto Atá, encabeçado pelo próprio Atala, e do C5 (Centro de Cultura Culinária Câmara Cascudo), um grupo de estudos sobre alimentação sediado no Engenho Mocotó (no piso superior do Mocotó) e capitaneado pelo próprio Oliveira e pelo sociólogo Carlos Aberto Dória. O prefeito sinalizou de maneira positiva.

“Falamos sobre a revitalização do Mercado de Pinheiros e comida de rua e o aparato culinário que pode ser implantado no parque que está sendo criado em torno da Represa de Guarapiranga”, adianta Atala. “Lembramos que gastronomia também é inclusão social, cultura e preocupação com o meio ambiente.”

Continua após a publicidade

Atala descreve os pontos principais dessa primeira conversa:

Revitalização do Mercado de Pinheiros

O mercado da Cantareira, um dos equipamentos mais visitados da cidade, tornou-se um ponto turístico. Lá, está muito bem representada a culinária dos imigrantes, a diversidade de culturas e das receitas trazidas para São Paulo por portugueses, espanhóis, italianos… No processo de revitalização do Mercado de Pinheiros, queríamos propor a representação brasileira pensando nas cozinhas nacionais: mineira, amazônica, baiana, gaúcha, pantaneira, de todas as partes do país. O Mercado de Pinheiros poderia representar um painel da migração. A ideia não é excluir quem está lá dentro, mas expandir os serviços, já existe espaços vazios. O mercado fica em uma área nobre, com transportes como o metrô, e está subaproveitado. Pensamos inclusive em uma programação de cursos do Ata e do C5 para promover ingredientes brasileiros, discutir o conjunto da cozinha, a preocupação com a cadeia produtiva e o meio-ambiente.

Comida de rua

Como a comida de rua tem caráter informal, é possível contribuir bastante, encaminhar conversas sobre legislação sanitária, ajudar com treinamentos e dar estrutura para o trabalho. Queremos sugerir o aproveitamento de pequenos espaços públicos ociosos. São praças, canteiros centrais, onde poderíamos ter comida de rua e trabalhar a inclusão social. Queremos quebrar essa imagem de que chef só faz comida cara e para um único segmento da cidade. Os chefs estão preocupados com ações sociais. São formas de entender que o alimento não é somente o que está dentro do prato. É o homem e o meio-ambiente. A alta cozinha quer andar de mãos dadas com o ambulante.

Depois desse primeiro passo, já está prevista uma a segunda reunião em novembro, ainda sem dia definido.

Obrigado pela visita. Aproveite para deixar seu comentário, sempre bem-vindo, e curtir a minha página no Facebook.

 

Continua após a publicidade
Publicidade