Em Nome dos Artistas — Arte Contemporânea Norte-Americana na Coleção Astrup Fearnley

VejaSP
starsstarsstarsstarsstars

Resenha por Jonas Lopes

A comemoração
das seis décadas de atividade da Bienal
tem início com esta polêmica mostra. Foram reunidas
219 obras provenientes de uma coleção particular
de Oslo (Noruega). Avaliada em 1,5 bilhão
de dólares, a seleção é controversa por enfocar 51
nomes mais conhecidos pelos flertes com a cultura
de celebridades e pelos escândalos do que pelo talento
propriamente dito. Caso do britânico Damien Hirst. De olho no escândalo fácil (e vazio), ele apresenta
onze trabalhos, entre eles a instalação Mãe e
Filho Divididos, na qual uma vaca e um bezerro
mortos são mergulhados em vidros de formol. A
maioria dos artistas não teme a aproximação com
o kitsch e o cafona, a exemplo de Matthew Ronay
e Richard Prince. Símbolo maior desse território,
Jeff Koons aparece em cenas de sexo explícito com
a ex-atriz pornô Cicciolina, com quem foi casado.
Destaque apenas para a cenografia bem organizada
de Daniela Thomas e Felipe Tassara. Atenção: várias
salas não são recomendadas para menores de
18 anos. De 30/09/2011 a 04/12/2011.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s