Noite

Zeca Baleiro: show eclético no Sesc Pompéia

Clássicos da música brasileira embalam público

Por: José Flávio Júnior - Atualizado em

O que as músicas Mamãe Passou Açúcar em Mim (sucesso nos anos 60 com o cantor Wilson Simonal), A Noite Vai Chegar (lançada pela diva Lady Zu no auge da disco music) e Bete Balanço (rock oitentista do Barão Vermelho) têm em comum? A julgar pela animação das 800 pessoas que lotaram a Choperia do Sesc Pompéia no último dia 5, todas convidam à dança. As três estão no repertório do Baile do Baleiro, evento que o cantor Zeca Baleiro promove nas quintas-feiras deste mês. O maranhense radicado em São Paulo canta hits e preciosidades esquecidas, dividindo o microfone com convidados inusitados numa das baladas mais divertidas da cidade. Eclético em sua concepção, o baile tem reunido um público homogêneo: jovens casais e garotas descoladas (elas são maioria) despidos de preconceito musical e com disposição para girar pelo salão por mais de duas horas. "É bacana porque rola um forrozinho, depois um sambinha...", diz a estudante Mariana Palmeira, de 20 anos, presente nas seis edições do ano passado, no Blen Blen. De tanto bater cartão, Mariana formou um grupo de amigas que Baleiro trata carinhosamente por "bailetes". Elas sugerem músicas, filmam as performances para disponibilizá-las no YouTube e levam os pais quando o convidado é mais antigo – já subiram ao palco Odair José (Vou Tirar Você Desse Lugar) e Zé Geraldo (Milho aos Pombos). Também são comuns os casos de pessoas que caem no evento imaginando se tratar de um show de Zeca Baleiro, como o gerente de vendas Fábio Carneiro. "Mas não fiquei decepcionado", jurou, antes de puxar a mulher, Melissa, para uns passinhos. Ciente da confusão que o baile causa na cabeça dos fãs, o mestre-de-cerimônias tem por hábito incluir no roteiro um ou outro sucesso próprio, como Heavy Metal do Senhor. "Penso no baile como um refresco na minha carreira", afirma o músico. Ele viajou para Belo Horizonte e Rio de Janeiro com a idéia e em junho deve retomar o projeto em outro palco paulistano. Para o delírio das bailetes. Baile do Baleiro. Choperia do Sesc Pompéia. Rua Clélia, 93, Pompéia, tel: 3871-7700. Quinta, 21h. R$ 20,00. Até dia 26.

Fonte: VEJA SÃO PAULO