Noite

As xerifes que colocam ordem na balada

Elas recepcionam clientes vips, lidam com bêbados brigões e até dão palpite no repertório dos DJs

Por: Carolina Giovanelli

Janine Vilela - 2243 xerife
Janine Vilela, de 34 anos: trabalha na Disco, no Itaim Bibi, há onze anos e comanda de quarta a sábado uma equipe de 35 funcionários, das 21h às 7h (Foto: Mario Rodrigues)

Uma noitada na balada costuma ser um cenário propício para confusões. Logo na entrada, reclamões batalham por um desconto no ingresso; durante a madrugada, há quem arranje encrenca por um esbarrão na pista; no final da festa, pipocam os casos de clientes que, depois de exagerar na bebida, se recusam a pagar a conta ou não têm dinheiro suficiente para fazê-lo. Quem fica responsável por dar fim a esses pepinos são os gerentes dos clubes, representados cada vez mais por mulheres. Sem deixar o charme nem a delicadeza de lado, elas se mostram mestras em impor respeito nas situações tensas. “Temos mais jogo de cintura do que os rapazes para lidar com o público”, afirma a gaúcha Janine Vilela, conhecida como a xerife da boate Disco, no Itaim.

+ Cine Joia: de cinema de rua a casa indie

+ Nascimento e morte de uma balada

+ Aplicativos úteis para os baladeiros

Contratada desde a inauguração do refinado endereço, há onze anos, quando fazia as vezes de bartender, Janine jura nunca ter faltado um dia ao trabalho. Mesmo quando sofria ao encerrar o expediente, às 7 horas, e ir direto para as aulas de administração da Universidade Anhembi Morumbi, curso no qual se formou no meio do ano. Na Disco, ela dá palpites em quase tudo, da temperatura do ar-condicionado ao repertório dos DJs. Fã de samba (ela desfila na escola Vai-Vai todo ano) e avessa a bebidas alcoólicas, a moça já foi sondada por pelo menos quatro outros empresários de baladas e sempre recusou os convites.

Ana Milani 2243 xerife
Ana Milani, de 41 anos: trabalha na D-Edge, na Barra Funda, há sete anos e comanda de segunda e quinta a sábado uma equipe de 90 funcionários, das 22h às 10h (Foto: Mario Rodrigues)

Antes de sair de casa, na Vila Sônia, ela capricha no visual para não fazer feio perto dos bacanas da cidade que frequentam o local e dos famosos gringos que costuma pajear, entre eles a cantora Shakira e o ator Benicio Del Toro. “Ando até apostando em aulas de inglês para melhorar a comunicação”, diz. Bem relacionada, ela consegue responder com propriedade à famosa pergunta “você sabe com quem está falando?”. Tornou-se tão querida por alguns frequentadores que um grupo deles contribuiu para uma polpuda gorjeta de aniversário, há cerca de três anos: 2.000 reais em dinheiro vivo.

No ramo, é preciso ficar de olho para não confundir amizade com interesse. “Tem gente que chega de braços abertos para me cumprimentar, mas não tenho nem ideia de quem seja”, conta Giane Serrano, gerente da Mynt Lounge, no Itaim. Com fama de brava e atrevida, ela começou a carreira há dez anos, no célebre clube Lov.e. Certa vez, no comando da boate Lotus, arrumou uma encrenca com um policial que não queria deixar a arma em um cofre da entrada. Ele não gostou da atitude e mandou um camburão levá-la para a delegacia, algemada. “Felizmente, me liberaram em seguida”, lembra. A loira namora um tatuador e curte ir a shows de rock. No último dia 6, desdobrou-se para que os integrantes da banda The Strokes, que estavam na cidade para um festival, tivessem uma festa de reis na Mynt Lounge, longe dos fotógrafos, com bebida à vontade e agilidade na entrada e na saída.

+ 100 programas para aproveitar o feriadão

Giane Serrano 2243 xerife
Giane Serrano, de 43 anos: trabalha no Mynt Lounge há dez meses e comanda de quinta a sábado uma equipe de 70 funcionários, das 22h às 9h (Foto: Mario Rodrigues)

No mesmo fim de semana, a xerife Ana Milani começou a trabalhar às 22 horas de sábado para voltar para casa somente às 19 horas de domingo, quando uma folia especial para 900 pessoas na D-Edge havia acabado. Há sete anos na ativa (antes era professora primária), ela é adepta de um estilo sério, composto de blazer e pérolas. Com uma filha de 14 anos, Ana age como mãe também durante o trabalho. Já precisou expulsar casais que estavam sendo inconvenientes no salão e evitar que funcionários beijassem clientes ou dançassem durante o expediente. “Deixo claro para a equipe que temos de fazer a festa dar certo, não participar dela”, diz.

+ Confira as estreias nos cinemas

+ Os shows que agitam a cidade

Thais Niles, gerente do clube Glória, na Bela Vista, resolveu largar a rotina da noite para resolver as operações diurnas mais tranquilamente. Somente em eventos especiais ela dá as caras na madrugada. A mudança veio depois de passar por apertos como ter de encher seu carro com centenas de latas de cerveja porque a distribuidora não tinha entregado as bebidas ou correr atrás de um DJ que dormiu demais e só apareceu para discotecar às 5 da manhã. “Nessa profissão, é preciso ter sangue-frio”, afirma. “Já me xingaram de todos os nomes, mas sempre mantive a elegância.”

Fonte: VEJA SÃO PAULO