Bares

Wine bars: endereços dedicados ao vinho

Seleção variada de rótulos é diferencial dos bares dedicados à bebida, como o Bardega, repleto de opções em taça

Por: Veja São Paulo - Atualizado em

Ecully Wine Bar
Ambiente acolhedor do Ecully Wine Bar (Foto: Mario Rodrigues/VEJA SÃO PAULO)

O mercado de endereços dedicados ao vinho não para de crescer, com lugares de perfis variados. Para ir a dois, o Sacra Rolha agrada em cheio aos casais, com móveis rústicos, luz de velas e um pequeno quintal nos fundos.

Como harmonizar vinho com doces

Já o Ovo e Uva é um espaço multifuncional que, além da bebida, vende massas, queijos e embutidos para levar para casa ou provar ali mesmo. Escolha o que combina mais com seu perfil:

Bardega: é o wine-bar mais bacana da cidade, com grande oferta de vinhos em taça: são 84 opções. Outra sacada é o sistema de autoatendimento. Para começar a beber, é preciso pegar um cartão com os garçons. Ele é usado para acionar uma das doze máquinas Enomatic, que mantêm a qualidade da bebida mesmo depois de aberta. São três doses: 30, 60 e 120 mililitros. Atenciosos sommeliers de plantão indicam boas opções, como o tinto italiano Caldora Sangiovese 2013 (R$ 8,00; R$ 16,00; R$ 29,00).

Bottega Bernacca
O vinho no Bottega Bernacca é servido em minicopos (Foto: Lucas Lima)

Bottega Bernacca: tudo bem apertadinho. Esse é o espírito da acolhedora casa de apenas catorze lugares no salão e mais dez na calçada. É um convite, portanto, para aparecer em casal e ficar bem juntinho, o que não impede a clientela de surgir em pequenos grupos. A lista de vinhos disponibiliza dezessete rótulos, entre eles o tinto italiano Castello di Magione 2014 (R$ 109,00), feito com uva sangiovese. A bebida é servida sem pompa, em pequenos copinhos de vidro.

Canaille Bar: é um lugar desencanado e o melhor bar bom e barato da cidade segundo VEJA COMER & BEBER. O preço das garrafas dos 62 rótulos da casa raramente ultrapassa os dois dígitos — mais de 80% delas custam entre R$ 55,00 e R$ 99,00. Nos dias de semana, as 23 opções em taça (de R$ 12,00 a R$ 20,00) são servidas no esquema peça uma, beba duas, das 18h às 20h. Para petiscar, vá de batatas rústicas (R$ 18,00).

Bardega
Garrafas na máquina Enomatic: autoatendimento (Foto: Keiny Andrade)

Ecully Wine Bar: atravesse o térreo da Grand Cru da Vila Nova Conceição e suba as escadas. Você vai chegar a este acolhedor wine bar, que descende do restaurante Ecully, em Perdizes. A meia-luz, o espaço é cheio de cantinhos para que os apaixonados dividam uma garrafa — 1 200 rótulos aguardam a clientela. Da região portuguesa do Alentejo, o Monte da Raposinha Tinto 2011 (R$ 123,00) é feito com as castas touriga nacional, alicante bouschet, trincadeira e syrah. Para petiscar, o queijo brie empanado com manga assada e calda da fruta com cachaça e pimenta-rosa sai a R$ 35,00.

Enoteca Decanter: a importadora Decanter só ganhou uma loja em São Paulo em 2008. Desde o início, a parte dos fundos do grandioso ponto de vendas abriga um charmoso wine bar. Em seu espaço para 26 pessoas, podem ser apreciados 85 rótulos em taça. Há espumantes, brancos, tintos, rosés, fortificados e de sobremesa. O serviço é feito pelo sommelier Gelson Matias, que sugere taças de tintos como o argentino Luigi Bosca Grand Pinot Noir 2013 (R$ 44,60). 

Red Buteco de Vinhos
Red Buteco de Vinhos: espaço moderno (Foto: Leo Martins)

Ovo e Uva: trata-se de um lugar multifuncional. Quem quer comprar massas, queijos, embutidos e bebidas para levar para casa encontra essas opções no balcão refrigerado e nas prateleiras. A maior vocação, entretanto, é de wine bar. No total, há 220 rótulos de vinho garimpados pelos sócios e sommeliers em treze importadoras, todos listados numa extensa carta, presa a uma prancheta. Uma das opções é o branco francês Côté Mas Blanc Méditerranée 2012 (R$ 92,00). 

Red Buteco de Vinhos: a casa de vinhos pouco quer lembrar os lugares chiques ou românticos para fazer um brinde. Tanto que o trio de donos preferiu montar a loja-bar em uma ambientação jovial e incluir um “buteco” no nome. Há rótulos apenas nacionais. Como não há carta, consultam-se as oitenta variedades disponíveis nas prateleiras ou em sugestões na lousa. Da região do Vale dos Vinhedos (RS), o Maximo Boschi Chardonnay 2009 (R$ 85,00) pode funcionar como um agradável aperitivo. O croquete de carne (R$ 30,00) é cheio de cremosidade.

Ovo e Uva
Ovo e a Uva: restaurante, bar de vinhos, rotisseria e empório em um único espaço (Foto: Divulgação)

Rubi Wine Bar: tijolos aparentes, mesas de madeira de demolição e luminárias feitas de garrafas de vidro compõem a atmosfera informal da casa, gostosa para ir a dois. Entre os mais de 100 rótulos figuram o nacional Casa Venturini Reserva Merlot 2012 (R$ 78,00), o espanhol orgânico Tarima Monastrell 2013 (R$ 99,00), produzido pela Bodegas Volver, e o toscano Mazzei Poggio alla Badiola 2013 (R$ 123,00). Da cozinha, saem porções como as batatas bravas ao molho picante (R$ 23,00).

Sacra Rolha: todo romantiquinho, agrada em cheio aos casais, com móveis rústicos, luz de velas e um pequeno quintal nos fundos. Para brindar, a casa investe em uma fornida carta que evidencia etiquetas de bom custo-benefício, a exemplo do californiano Woodbridge Zinfandel (R$ 108,00) e do argentino Trumpeter Malbec (R$ 119,00). Uma página inteira é dedicada aos espumantes, do nacional Casa Valduga Arte Brut (R$ 85,00) ao champanhe francês Dom Perignon Brut (R$ 980,00). 

Sacra Rolha - 2191
Ambiente charmoso do Sacra Rolha (Foto: Mario Rodrigues)

Vino!: logo na entrada da trattoria, que acaba ampliar o cardápio, o cliente encontra o charmoso misto de loja e bar de vinhos com uma mesa coletiva. Nesse primeiro ambiente, é possível escolher a garrafa favorita direto na estante ou pedir uma das 100 opções em taça. Uma delas é o argentino Casarena Ramanegra Estate 2014 (R$ 22,00). Para comer, sirva-se do balcão de antepastos, com itens como queijos, embutidos e legumes grelhados (R$ 24,00, 100 gramas). Às quartas, promove degustações de vinhos.

+ Blog do Arnaldo: 9 bons vinhos italianos a partir de 55 reais

Fonte: VEJA SÃO PAULO