Cidade

Virada Cultural: o que teve nas 24 horas

Um resumão para quem não acompanhou o evento de perto

Por: Meriane Morselli - Atualizado em

1) Caetano Veloso encerrou o evento dizendo que foi o último show da turnê do disco Abraçaço. Ele cantou Sozinho, Sampa, A Luz de Tieta e várias outras. E aproveitou para dizer  “Palestina sim”. Ele e Gilberto Gil vao se apresentar em Israel em julho e a plateia levou cartazes pedindo para que eles desistam da exibição. Caetano nunca tinha abrido a boca para tocar no assunto. 

2) O cachê mais alto do evento foi o Caetano Veloso (150 000 reais). E o mais baixo foi de 4 000 reais. Veja o ranking aqui.

3) No começo, palcos esvaziados, como no Arouche, faziam a Virada nem parecer a Virada.

4) Muita pressa ao fazer o balanço de ocorrências: a Polícia Militar e a Guarda Civil se pronunciaram uma hora e meia antes de a Virada terminar. 

+ Nosso repórter passou 24 horas sem descanso na Virada

5) Lenine entrou quarenta minutos atrasado e seu backing vocal deu uma cutucada em Silas Malafaia.

6) O último show do Teatro Municipal foi do Ira! e estava lotado. Muita gente, aliás, ficou de fora.

7) Menos público de classe média circulando na região central, de acordo com o secretário de cultura, Nabil Bonduki.

8) Um acerto ao levar atrações portuguesas ao Parque do Ibirapuera.

9) Os chefs Alex Atala, do D.O.M. e Dalva & Dito, e Rodrigo Oliveira, do Mocotó, foram pessoalmente servir seus pratos na Praça Roosevelt.

Alex Atala
O chef Alex Atala: ele serviu seus pratos na Praça Roosevelt na madrugada de sábado (Foto: Ligia Skowronski)

10) Palco infantil, na Biblioteca Monteiro Lobato, na Vila Buarque, com bom público e péssima estrutura.

11) A funkeira Ludmilla achando que é a Beyoncé no domingo de manhãzinha.

+ Mais de setenta pessoas foram detidas na Virada

12) Tiago Abravanel, na noite de sábado, provou mais uma vez que manda muito bem interpretando Tim Maia no palco dos musicais, na Princesa Isabel.

13) Daniela Mercury, também na noite de sábado, agradou ao público, que estava bem grande.

+ Repórter de Veja São Paulo quase é assaltado em frente à prefeitura

14) Mais um protesto: Emicida lembrou da menina apedrejada ao sair de cerimônia de candomblé no Rio de Janeiro.

15) O policiamento era grande na madrugada, mas desapareceu ao amanhecer. Às 11 horas da manhã, um dos nossos repórteres quase foi assaltado em frente à prefeitura. Leia o relato aqui.

Fábio Jr
Fábio Jr.: ele subiu ao palco atrasado, mas empolgou (Foto: Reprodução)

16) A programação do Minhocão estava impressa nos mapas distribuídos para o público, mas o espaço não participou do evento.

17) Sucessos do atrasado Fábio Jr. no palco Júlio Prestes.

18) Sidney Magal (Arouche) rebolando na madrugada.

+ Os maiores e menores cachês da Virada Cultural

19) Erasmo Carlos, no Palco São Joao, foi uma das grandes atrações da manhã e disparou vários hits para um público mediano.

Erasmo Carlos
Erasmo Carlos na Virada Cultural 2015: hits no repertório (Foto: Veja São Paulo)

20) Fafá de Belém confessou que acha o prefeito Fernando Haddad um gato.

21) E, ainda bem, não foram registrados crimes graves e ninguém morreu ou se feriu. Ou seja, essa Virada foi mais segura. É isso! Até 2016.

Fonte: VEJA SÃO PAULO