Bichos

Empresário faz sucesso com cerveja e vinho para cachorros

Com a marca Dog Beer, Lucas Marques fatura 80 000 reais por mês

Por: Carolina Giovanelli

Lucas Marques - vinho para cachorro
Marques: produtos sem álcool, à base de carne (Foto: Leo Martins)

Dia após dia, fica mais evidente que não há limites para a extravagância dos produtos criados para o mercado pet. Na semana passada, foi lançado um vinho para cães, com o rebuscado nome Wine’s Dog. Sim, vinho, com aroma artificial de uva e coloração roxa, efeito do corante natural de beterraba. Harmoniza bem com ração. A novidade, que custa na faixa dos 15 reais, é um dos primeiros passos da expansão do portfólio da Dog Beer, já bem-sucedida no ramo de cervejas para cachorros.

+ Cão que não gostava de humanos muda após nascimento de bebê

Feita à base de água e malte, e envasada em garrafas escuras de vidro, a cerveja da marca é facilmente confundida com a bebida voltada para os humanos. Sem álcool, vale dizer, é comercializada nos sabores de frango e carne. Assim como o gosto, o preço se mostra salgado: em média, 10 reais por 355 mililitros.

O inusitado rótulo, com produção de 20 000 a 30 000 garrafas por mês, exibe crescimento — encontram-se até “genéricos” por aí. Há planos, inclusive, de exportá-lo em breve. “São os supérfluos dos supérfluos, mas trazem uma experiência divertida aos donos”, acredita Lucas Marques, de 36 anos, responsável pela marca, cujas fórmulas são supervisionadas por veterinários.

Lucas Marques - vinho para cachorro
O vinho Wine’s Dog: na faixa dos 15 reais (Foto: Leo Martins)

Com experiência no mercado de animais, o paulista de São Caetano do Sul percebeu uma oportunidade de negócio em 2015. Focado em potencializar a produção, comprou a Dog Beer de Marco Melo, criador do selo em 2012. Marques investiu cerca de 600 000 reais e montou em seguida uma “cervejaria” na Zona Leste. Ele fatura atualmente cerca de 80 000 reais por mês com a empresa. Há projetos de quadruplicar o espaço da fábrica, hoje com 500 metros quadrados, no próximo ano. “Quero investir na área de petiscos líquidos”, afirma.

O empresário é responsável ainda por um e-commerce e uma distribuidora de acessórios que atende 3 000 pet shops. Até o fim de 2016, deve lançar um molho para ração e um “bifinho” líquido. Os gatos estão no radar e, em breve, devem ganhar também bons motivos para brindar.

Fonte: VEJA SÃO PAULO