Astronomia

Vídeos mostram estrelas cadentes cruzando o céu no interior de SP

As imagens foram registradas por uma câmera do observatório municipal de Campinas

Por: VEJA SÃO PAULO - Atualizado em

estrela-cadente
Estrela cadente flagrada em Campinas no dia 1º de setembro (Foto: Reprodução)

Instalada há um mês, uma câmera que fica na cúpula do observatório municipal de Campinas tem registrado imagens surpreendentes do céu do interior de São Paulo. Em pouco mais de uma semana, o equipamento flagrou dois grandes meteoros cruzando a atmosfera.

+ Expoflora comemora a 33ª edição na cidade de Holambra

O último registro aconteceu por volta das 19h10 dessa segunda-feira (1). Com uma velocidade de 50 000 quilômetros por hora, o meteoro percorreu cerca de 113 quilômetros, passados por cidades do interior de São Paulo e Minas Gerais. Ele se desintegrou a mais de 30 quilômetros de altura. Confira a imagem:

Já o outro foi flagrado às 5h53 do dia 23 de agosto. Ele se desintegrou a 66 quilômetros de altura. Veja:

Popularmente conhecido como bola de fogo nos Estados Unidos e estrela cadente aqui no Brasil, o meteoro brilhante é chamado de bólido pelos especialistas.

O astrônomo Julio Lobo explica que a câmera está instalada na cúpula do Observatório Municipal Jean Nicolini, no distrito de Joaquim Egídio, que fica na zona rural de Campinas. “Não é tão comum fazer registros como esse. Entretanto, já conseguimos flagrar cerca de 250 meteoros em um mês. Mas só dois foram grandes.”

Lobo afirma que em breve a estrutura será ampliada, conseguindo assim fazer novos registros. “Em poucos dias teremos mais três câmeras funcionando. Mas a ideia é contar futuramente com outros quinze equipamentos. Eles vão permitir, por exemplo, acompanhar a trajetória e, se cair, identificar exatamente o local.”

+ Confira as últimas notícias da cidade

De acordo com ele, o equipamento fica ligado com a rede brasileira de observação de meteoros Bramon (Brazilian Meteor Observation Network). “O software Japonês consegue diferenciar aviões e outros objetos dos meteoros.”

 

Fonte: VEJA SÃO PAULO