Criminalidade

PM investiga vazamento de vídeo com supostos bandidos agonizando

Internamente, corporação acredita que imagens foram feitas por policiais. Cenas divulgadas na internet mostram três homens baleados, sob risos e piadas

Por: Redação VEJASAOPAULO.COM - Atualizado em

A corregedoria da Polícia Militar fará uma investigação interna para identificar quem gravou e divulgou um vídeo onde três homens, tratados nas imagens como bandidos, aparecem baleados e agonizando diante de risos e xingamentos de outros, supostamente policiais.

+ Policiais prestam depoimento sobre vídeo com baleados agonizando

Fotos com os mesmos baleados foram publicadas no dia 12 em perfil não oficial no Facebook, chamado "Policia Do Estado de São Paulo". Nessas imagens, os feridos aparecem rodeados de homens de farda e armados. O vídeo entrou no ar no dia seguinte na mesma página. O conteúdo é chocante.

Em nota oficial, a Polícia Militar afirma que tenta identificar o administrador do perfil falso com o conteúdo considerado “impróprio” e o autor dos vídeos. Destaca ainda que as páginas oficiais da PM são constantemente monitoradas e seus responsáveis, orientados. Internamente, há a convicção de que as imagens sejam verdadeiras e produzidas por policiais.

+ Justiça tira chefe do PCC de isolamento

Logo no início da gravação também é possível identificar perto dos corpos um coturno semelhante ao usado pela Polícia Militar. Em seguida, os feridos agonizam. Um deles diz: “Meus filhos!”. Logo após, alguém fala: “Vai ficar famoso, ladrão”. Em seguida, um outro brinca com a situação e questiona: “Vai demorar para morrer?”.

+ Suspeito de causar morte de organizador de rolezinho foge

O post do vídeo nessa página do Facebook tem comentários defendendo e outros questionando a atuação dos policiais que publicaram as imagens. Até as 17h30 desta terça-feira (15), 851 pessoas curtiram a publicação e outras 767 compartilharam o vídeo.

+ Motorista de empresário mata ex-senador boliviano

Um dos internautas comenta: “É triste ver o fim que eles mesmos escolheram. Agora, a insensibilidade das pessoas mandando eles morrerem é o que mais choca, cadê o amor ao próximo? Não é porque eram bandidos que temos que agir como eles agiriam".

Logo em seguida, um outro rebate: “Ladrão tem que morrer mesmo. Você não sabe o que é ficar na mão desses lixos”. Já o administrador do perfil diz: “Amor ao próximo? Fala isso pra ele quando ele mete o cano na sua cara”.

Abaixo, a nota oficial da Polícia Militar sobre o caso:

             "A Polícia Militar esclarece que o perfil “Polícia do Estado de São Paulo”, na rede social Facebook, não é um dos perfis oficiais da Instituição, apresentando uma série de conteúdos impróprios. Por esse motivo, já está em curso uma investigação sobre o perfil, seu conteúdo e administradores.

            Quanto ao caso apresentado, a Corregedoria PM está investigando se houve participação de policiais militares na captação e divulgação das imagens, fato que, se confirmado, poderá resultar punição ao(s) responsável (is).

            É importante ressaltar que todo policial militar, assim como qualquer cidadão, pode postar aquilo que bem entender nas redes sociais, podendo, contudo, ser responsabilizado no campo civil, criminal e administrativo em caso de postagens que ofendam pessoas, instituições, que sejam contrárias à lei ou atentatórias à dignidade humana.

           A Polícia Militar e suas unidades subordinadas possuem perfis oficiais, que servem como canais de comunicação da Instituição. Seus administradores recebem orientações constantes, sendo as páginas devidamente monitoradas."

Fonte: VEJA SÃO PAULO