Educação

"Aqui não tem greve, aqui tem física", diz professor

Docente bate boca em vídeo com estudantes da USP que queriam interromper aula de física por causa de paralisação

Por: Veja São Paulo - Atualizado em

professor usp
Professor de física discute com alunos (Foto: Reprodução YouTube)

Em um vídeo divulgado na internet nesta semana, um professor da Universidade de São Paulo (USP) discute com estudantes grevistas na Cidade Universitária. A paralisação começou em maio deste ano. Nas imagens - editadas e publicadas na página de Facebook USP Livre - é possível ver o professor Silvio Salinas, do Instituto de Física. “Que greve? Aqui não tem greve, aqui tem Física”, disse ele aos alunos. “Tem greve na cabeça de vocês, na minha não.”

Segundo o Comando de Greve da Física da USP, que reúne alunos apoiadores do ato, a intenção era pedir para que o docente não cobrasse presença dos estudantes grevistas e repassasse o conteúdo das aulas para os ausentes. O caso ocorreu no último dia 2.

+ Promotoria denuncia quatro pessoas por crime de racismo contra Maju

Procurado, o professor afirmou que realizava um seminário quando o grupo apareceu. “Eles queriam que os alunos dentro da sala parassem o que estavam fazendo, porque há uma greve. Queriam atrapalhar”, afirmou. “Eu não tenho interesse nenhum nessa paralisação. Com os problemas econômicos seríssimos do país, acha que vamos resolver alguma coisa agora?”

Assista a um trecho da discussão:

 

“Apenas queríamos conversar com ele, não era nem entrar na sala”, contou o estudante de física Cauê Ferreira, de 28 anos, representante do Comando de Greve da Física. “Muitos professores atenderam nossas demandas. Não cobraram presença, por exemplo. Outros não deram opção para os alunos grevistas.”

+ Marcelo Araújo deixa a Secretaria da Cultura do Estado e assume Ibram

Os estudantes em paralisação defendem a implantação de cotas raciais e auxílio para universitários que, por problemas financeiros, não conseguem seguir estudando. Também são contrários ao corte de funcionários no campus, entre outras reinvindicações.

Fonte: VEJA SÃO PAULO