Onda de protestos

Vídeo mostra PM sendo espancado durante manifestação por tarifa zero

Cerca de dez manifestantes cercaram o comandante no final do ato de sexta (25) e o agrediram com chutes e pedaços de madeiras  

Por: Redação VEJASÃOPAULO.COM - Atualizado em

Vídeo Coronel 25-10
PM agredido durante ato por tarifa zero (Foto: Reprodução)

Um vídeo veiculado no YouTube mostra o momento em que o policial Reynaldo Simões Rossi, comandante da PM da região central da cidade, foi cercado por um grupo de manifestantes e espancado no Terminal Pedro II, no centro. O coronel recebeu chutes e pancadas com pedaços de madeira e chegou a cair no chão durante o ataque. A maioria dos agressores usava máscaras, lenços e capacetes.

+ Clique aqui para ver vídeo do momento em que o policial é agredido

+ Ato por tarifa zero termina em depredação. PM ferido recebe alta

Segundo nota divulgada pela Polícia Militar, o coronel "teve a clavícula quebrada e muitas escoriações na região da face e da cabeça". Após o ataque, ele foi levado ao Hospital das Clínicas e recebeu alta na tarde deste sábado. 

No total, 92 pessoas foram detidas, onze continuam presas por dano qualificado, formação de quadrilha e explosão _oito permanecem na carceragem do 2º DP (Bom Retiro). O comerciário Paulo Henrique Santiago dos Santos, de 22 anos, foi apontado como um dos agressores do PM e indiciado por tentativa de homicídio simples, formação de quadrilha, roubo e lesão corporal. Segunda a Secretaria de Segurança Pública, nesta segunda (28), Santos deve ser levado para o Centro de Detenção Provisória do Belém. Três menores de idade foram transferidos para a Fundação Casa. 

O protesto começou pacífico, mas terminou com policiais respondendo às depredações de um grupo de black blocs com bombas de gás lacrimogêneo. Uma catraca gigante foi queimada como símbolo do movimento passe livre (MPL) e, de acordo com as informações divulgadas pela polícia, orelhões, extintores, 15 caixas eletrônicos, bilheterias, banheiros e quiosques do terminal de ônibus foram destruídos. 

 

Fonte: VEJA SÃO PAULO