Futebol

CBF veta abertura do estádio do Palmeiras neste sábado

Entidade ainda não recebeu laudo que autoriza utilização da arena. PM liberou 30 000 dos  43 600 lugares

Por: Silas Colombo

  • Voltar ao início

    Compartilhe essa matéria:

  • Todas as imagens da galeria:

O Palmeiras não vai mais inaugurar seu novo estádio neste sábado (8), como estava previsto. A CBF vetou a abertura oficial do Allianz Parque por não ter recebido laudo da Polícia Militar necessário para realização do jogo contra o Atlético-MG. A partida agora será no Pacaembu.

Nesta segunda-feira (3), a Polícia Militar liberou parcialmente a utilização do estádio para jogos e shows. O laudo, no entanto, só ficaria pronto entre quinta (5) e sexta (6), quando seria enviado para a CBF.

+ Novo estádio do Palmeiras terá 250 eventos por ano e cinco megashows

Antes de tomar a decisão, a CBF entrou em contato com a diretoria do Palmeiras e ouviu que o clube não gostaria de realizar a partida deste sábado na arena por causa do limite para venda de ingressos.

A PM aprovou apenas os setores que já estavam totalmente prontos, liberando 30 000 dos 43 600 lugares do estádio. Na prática, o número de ingressos destinados aos palmeirenses seria menor, já que é necessário descontar a cota de entradas para os torcedores da equipe adversária.

O presidente do Palmeiras, Paulo Nobre, esperava revolta da torcida caso pusesse poucos ingressos à venda. O clube prefere estrear com a casa cheia.

+ Assista a um sobrevoo de drone no Allianz Parque

  • Voltar ao início

    Compartilhe essa matéria:

  • Todas as imagens da galeria:

A expectativa agora é que a inauguração aconteça no jogo contra o Sport, em 20 de novembro. Cinco dias depois, acontecerá o primeiro grande show da arena, com o beatle Paul McCartney. A WTorre diz que é viável o jogo acontecer antes do show, mas depende do cronograma da produção do evento. Em último caso, o Palmeiras só voltaria a jogar em casa na última rodada do Campeonato Brasileiro, em 7 de dezembro, contra o Atlético Paranaense.

Fonte: VEJA SÃO PAULO