Cidade

Grupo anti-Dilma vende boné e 'pixuleco' para custear manifestação

Boneco inflável do presidente Lula custa 10 reais. Dinheiro ajudará a pagar aluguel de carro de som

Por: Veja São Paulo - Atualizado em

Protesto Paulista 1608
Protesto contra a presidente Dilma Rousseff (PT) na Avenida Paulista (Foto: Eduardo Knapp/Folhapress )

O grupo Vem pra Rua, que desde o início do ano encabeça as manifestações contra a presidente Dilma Rousseff (PT), está vendendo souvenir para ajudar a financiar o ato de domingo (13). Na página do Facebook, eles afirmam que o protesto tem um custo de "segurança, aluguel do caminhão de som etc" e "os que acreditam no movimento podem colaborar" comprando os acessórios. 

+ Movimentos marcam ato pró-Dilma no dia 16

Os bonés com o logotipo do Vem pra Rua custam 20 reais. Já os broches - um deles, com uma mão de quatro deles, faz alusão ao ex-presidente Lula - estão por 5 reais. O petista aparece também em forma de balão inflável (apelidado de "pixuleco") por 10 reais. Também há camisetas ("Impeachment: quem quer sou eu!") para crianças e adultos - custam 10 e 30 reais, respectivamente. 

Para comprar, é preciso ir até a sede do movimento, que fica na Vila Olímpia, na Zona Sul da capital. "O valor arrecadado será convertido integralmente para custear a saída do dia 13", escreveram na rede social.

vem pra rua
Anúncio postado na página do Vem pra Rua no Facebook (Foto: Reprodução)

Manifestação

Embalados pela decisão do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), de acolher o pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff, os grupos de oposição ao governo marcaram uma manifestação para domingo (13) na Avenida Paulista. O Supremo Tribunal Federal, porém, suspendeu a instalação da comissão que irá analisar o processo na Câmara dos Deputados - os trabalhos devem ser retomados na semana que vem. 

+ Carta de Temer para Dilma vira piada na internet

Cunha, presidente da Câmara, também corre o risco de ter seu mandato cassado após ficar comprovado que possui contas ilegais na Suíça. O parlamentar também é acusado de receber propina do esquema de corrupçã da Petrobrás

Representantes das três principais organizações responsáveis pelas manifestações pró-impeachment realizadas este ano se reuniram nesta quinta-feira (3) para definir um calendário conjunto de ações. "No dia 13 faremos um 'esquenta' e anunciaremos a próxima grande manifestação", diz Renan Santos, porta-voz do Movimento Brasil Livre (MBL).

Fonte: VEJA SÃO PAULO