Teatro

Em 'Folias Galileu', monólogos contam a vida do astrônomo italiano

Montagem inspirada em texto de Bertolt Brecht propõe excursão pelo Galpão do Folias

Por: Dirceu Alves Jr. - Atualizado em

Folias Galileu
Bete Dorgam, Dagoberto Feliz e Gisele Valeri: visões controversas sobre o italiano (Foto: Cacá Bernardes)

Prepare-se para uma pequena excursão. Você vai ficar pouco tempo sentado nos quase 120 minutos da montagem do Grupo Folias. Inspirados na peça Galileu Galilei, de Bertolt Brecht, o diretor Dagoberto Feliz e o time de 23 atores recontam a história do físico e astrônomo italiano em Folias Galileu. Perseguido pela Igreja Católica, Galileu Galilei (1564-1642) renegou a ciência para salvar a própria vida. Os espectadores são divididos e passeiam pela sede da companhia. São catorze monólogos sobre os embates do gênio. O público, como se fosse juiz da Inquisição, dará o veredicto baseado nos depoimentos. Família, amigos, inimigos, representantes do clero e da aristocracia subvertem a exatidão e expõem os interesses em relação a Galilei. O ótimo elenco traz Bete Dorgam, Flavio Tolezani, Gisele Valeri, Nani de Oliveira e Rodrigo Scarpelli, entre outros, e faz com que cada uma das cenas se descortine como uma peça diferente, entre a reflexão e a criatividade (110min). 12 anos.

Passeio pelo Galpão do Folias: fachada, portaria, banheiro, café, camarim, depósito de figurinos... Tudo serve de ambientação para a montagem

AVALIAÇÃO: ✪✪✪

Fonte: VEJA SÃO PAULO