Cidade

Vaquinha para reaver fusca de serralheiro termina hoje

Carro pegou fogo durante protestos contra a Copa; iniciativa já arrecadou até o momento pouco mais de 6 650 reais

Por: Redação VEJASAOPAULO.COM - Atualizado em

protesto fusca
Manifestantes atearam fogo a um fusca (Foto: Reprodução / TV Globo)

Após perder seu fusca 1975 incendiado durante os violentos protestos contra a Copa no dia 25 de janeiro, o serralheiro Itamar Santos está mais perto de conseguir seu carro novo. A 'vaquinha' online criada por voluntários para restituir o valor do veículo termina nesta terça-feira (4). Inicialmente, a campanha iria seguir até o dia 31 de março. Entretanto, os organizadores resolveram antecipar o fim para, assim, agilizar o processo.

Até o momento, a vaquinha arrecadou pouco mais de 6 650 reais. A meta era 10 000 reais. De acordo com Santos, os responsáveis já entraram em contato. Eles pediram para aguardar mais alguns dias para que todos os depósitos sejam confirmados.

Por enquanto, Santos continua com a rotina. "Hoje mesmo tem uma entrega e vou fazer na mão mesmo. Não é longe", diz. O serralheiro afirma ainda que está feliz pela inciativa e que o carro virá em uma boa hora.

Caso

No início da noite do dia 25 de janeiro, Santos e mais quatro pessoas da igreja que frequenta no centro - entre as quais duas mulheres e uma criança de colo a quem deu uma carona - voltavam de um culto. Ao ver um grupo ateando fogo em um colchão, ele tentou desviar do objeto, que acabou enroscando na parte de baixo do automóvel.

De acordo com Santos, ele e os demais acompanhantes não queriam sair do carro porque não tinham noção do tamanho das chamas. "Eu desci para tentar tirar o colchão e entrei novamente no carro para ver se desenroscava, foi aí que o fogo tomou conta de tudo", lembra. Assustadas, algumas pessoas que assistiam ao incidente ajudaram a retirar os passageiros do carro.

Santos ganhou o veículo há cinco anos e o utilizava para trabalhar. "Meu irmão mexe com restauração de carros antigos, mas não com esse modelo, por isso me deu." O veículo havia passado pela inspeção veicular na sexta-feira anterior ao incidente. "Eu tinha todos os adesivos colados no vidro."

 

 

Fonte: VEJA SÃO PAULO