SAÚDE

Campanha de vacinação contra paralisia infantil termina hoje

Mais de 100 000 postos de vacinação fixos e móveis estão disponíveis para aplicação das doses pelo país

Por: Estadão Conteúdo

Vacinação polío
Vacinação contra polio: crianças de 6 meses a 5 anos devem ser imunizadas (Foto: Agência Brasil)

Está prevista para terminar nesta segunda-feira (31), a 36ª Campanha Nacional de Vacinação contra poliomielite. A meta do Ministério da Saúde era imunizar 12 milhões de crianças entre 6 meses e 5 anos de idade. Caso esse número não seja alcançado, existe a possibilidade de prorrogação da campanha. Mais de 100 000 postos de vacinação fixos e móveis estão disponíveis para aplicação das doses pelo país.

Popularmente conhecida como paralisia infantil, a poliomielite é causada pela contaminação pelo polivírus e é considerada uma doença grave, que afeta o sistema nervoso e pode causar fraqueza muscular permanente e perda irreversível dos movimentos nos membros inferiores. A transmissão do vírus é por via oral na ingestão de água e alimentos contaminados.

+ Paulistano cria multa educativa para motoristas que estacionam em vagas para deficientes

O último caso registrado no Brasil foi em 1990 e a doença é classificada como erradicada desde 1994, mas a vacinação, única forma de prevenção, é considerada indispensável. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a poliomielite ainda é endêmica em três países: Paquistão, Nigéria e Afeganistão. "Com fluxo de turistas, com o comércio, há um grande trânsito de pessoas. Se não tivéssemos nossas crianças vacinadas, poderíamos ter a reintrodução da doença em nosso País", afirmou a coordenadora da Secretaria de Vigilância em Saúde, Carla Domingues, durante a coletiva de lançamento da campanha nacional, em 11 de agosto.

Segurança

Eficaz na proteção contra três sorotipos dos poliovírus (1, 2 e 3), a vacina também é segura. "É uma vacina de vírus atenuados. A única contraindicação é para crianças que estão em tratamentos como quimioterapia e radioterapia", disse a diretora de imunização da Secretaria Estadual da Saúde de São Paulo, Helena Sato.

A imunização contra a pólio é feita em cinco doses: aos 2 e 4 meses, por via injetável; aos 6 meses, por via oral, a famosa gotinha; e mais duas doses de reforço - também oral - aos 15 meses e aos 5 anos de idade. Todas as tipologias de vacina estarão disponíveis nos postos fixos e volantes.

Além da imunização contra pólio, a campanha também busca atualizar o esquema vacinal dos menores de 5 anos, oferecendo doses contra febre amarela, hepatite B, rotavírus humano e também a vacina tríplice viral, que protege contra sarampo, rubéola e caxumba.

+ Confira as últimas notícias da cidade

Caso existam vacinas em atrasos, profissionais dos postos de saúde poderão colocar a carteira em dia. "O ideal é tomar na data prevista, mas, se por ventura não tomou na época adequada, não é preciso recomeçar o esquema de vacinação. Além disso, não há contraindicação em tomar mais de uma vacina no mesmo dia", afirma Helena.

Aplicativo

O Ministério da Saúde criou um aplicativo para facilitar o gerenciamento das cadernetas de vacinação, 'Vacinação em Dia'. A ferramenta permite acompanhar o calendário de vacinação de crianças e adultos, marcando a data da imunização e agendando a próxima. Estão disponíveis informações sobre todas as vacinas ofertadas pelo SUS e o usuário poderá cadastrar até dez carteiras de vacinação.

O aplicativo tem a função de lembrete, com notificações sobre as campanhas sazonais de vacinação. Também é possível calcular, a partir da inserção da primeira vacina no calendário, quando o usuário deve comparecer ao posto para uma nova imunização. O aplicativo funciona em tablets e smartphones, que utilizem sistemas operacionais iOS, e Android.

Fonte: VEJA SÃO PAULO