Educação

Reposição de dias parados trava acordo, e greve na USP continua

Universidade quer calendário para compensar horas não trabalhadas e funcionários defendem eliminação de serviço acumulado

Por: Veja São Paulo

Protesto USP
Funcionários da USP estão em greve há 114 dias (Foto: Marcos Bezerra/Futura Press/Folhapress)

Os funcionários da USP decidiram nesta quinta-feira (17) manter a greve, que já chega a 114 dias. A decisão foi tomada após reunião dos líderes sindicais com representantes da reitoria. Segundo os grevistas, o principal ponto de divergência é em relação à reposição dos dias parados durante a greve. A reitoria quer um calendário para compensar praticamente todas as horas não trabalhadas. O Sintusp (sindicatos dos funcionários) defende a eliminação do serviço acumulado, sem necessidade de estender o expediente para atividades em que não há demanda.

USP lidera ranking das melhores universidades do país

Morre nos Estados Unidos aluno da USP achado inconsciente em piscina

No caso dos professores, todas as aulas suspensas durante a greve devem ser compensadas. O calendário de reposição será definido pelas faculdades após a volta às atividades.

Outro pedido dos servidores técnico-administrativos é o reajuste do vale-alimentação. A USP disse, de acordo com eles, que a atualização do benefício deveria ser discutida com as outras universidades estaduais, em respeito à regra da isonomia.

+ Justiça propõe abono de 28,6% para grevistas da USP

A notícia foi recebida com decepção pelos grevistas, reunidos em frente ao prédio da reitoria, no câmpus Butantã, zona oeste da capital. O grupo votou por manter a paralisação.

Os resultados do encontro serão levados para a audiência de conciliação que ocorre nesta tarde no Tribunal Regional do Trabalho entre reitoria e sindicato. Nova reunião entre os grevistas e a comissão interna de negociação montada pelo reitor Marco Antonio Zago está pré-marcada para esta quinta-feira, 18. Caso a greve não se resolva nos próximos dias, ela poderá ser julgada pela Justiça. (Com Estadão Conteúdo)

 

Fonte: VEJA SÃO PAULO