TRÂNSITO

Polícia investiga mais uma agressão a motorista da Uber

Caso teria acontecido na madrugada de sábado (8), mesmo dia em que outro profissional sofreu emboscada de taxista

Por: Estadão Conteúdo - Atualizado em

Taxistas
Taxistas em protesto contra o Uber: categoria alega que o serviço é clandestino (Foto: Edu Silva/Futura Press/Folhapress)

A polícia investiga um segundo ataque a um motorista do aplicativo Uber ocorrido na madrugada do sábado, no Itaim-Bibi, Zona Oeste. No mesmo dia, outro profissional afirmou ter sofrido uma emboscada e ter sido sequestrado por um grupo de taxistas - um deles estaria armado.

+ Agredidos por taxistas anti-Uber, repórter da Globo e marido desabafam na web

A nova vítima, que trabalha com o aplicativo que oferece caronas pagas, prestou depoimento nesta terça-feira (11) e contou que foi buscar duas mulheres em uma festa quando foi alvo de uma pedrada. "Cerca de uma hora antes do outro caso, havia ocorrido um episódio em que um motorista da Uber havia sido hostilizado por taxistas nas imediações. Ele teve, até mesmo, seu veículo atingido por uma pedra", disse o delegado Marco Aurélio Batista, titular do 15.° Distrito Policial (Itaim-Bibi).

+ Defensor do Uber de 17 anos discute com vereador na Câmara

Batista disse que a polícia apurou que, na região onde os casos ocorreram, já havia uma concentração de taxistas por causa de um evento em uma casa de festas. Ainda nesta terça-feira, foi ouvido um representante do Sindicato dos Motoristas e Trabalhadores nas Empresas de Táxi de São Paulo (Simtetaxis), que indicou o nome de um taxista que pode ter participado da emboscada e do sequestro do motorista da Uber. "Essa pessoa já foi contatada e será ouvida."

+ Confira as últimas notícias

A Secretaria Municipal de Transportes informou, em nota, que abriu um processo administrativo. Se for comprovado o envolvimento de taxistas, eles terão o alvará e o Condutax cassados. A pasta informou que, de janeiro a 11 de agosto deste ano, 45 veículos de motoristas que utilizavam o aplicativo Uber foram apreendidos na capital.

Fonte: VEJA SÃO PAULO