Turismo

Dez dicas para fotografar bichos no Pantanal

Araquém Alcântara, um dos maiores especialistas em fotografia da vida selvagem no Brasil, fala sobre seu trabalho

Por: Nathalia Zaccaro - Atualizado em

  • Voltar ao início

    Compartilhe essa matéria:

  • Todas as imagens da galeria:

O fotógrafo Araquém Alcântara, um dos maiores especialistas em fotografia da vida selvagem no Brasil, dá dicas espertas para clicar os animais no Pantanal como um profissional

“Para fotografar bicho é preciso ser bicho também. É preciso ser arguto, veloz, desconfiado. É preciso vibrar na frequência do insondável, imaginar o que o bicho imagina, antever o gesto brusco, se comunicar em silêncio, conviver com o espanto, o inesperado. É preciso se colocar num estado tal que o bicho não reconheça o fotógrafo como bicho homem. É  preciso que o fotógrafo seja reconhecido pelo bicho como um bicho do mesmo habitat.”

+ 400 presentes de Natal inspirados em viagens dos sonhos

+ Confira o mapa da volta ao mundo

+ As Boas Compras: Pantanal

Essa é a descrição do crítico Eder Chiodetto sobre o trabalho do fotógrafo Araquém Alcântara. Considerado um dos pioneiros em retratos da natureza brasileira, ele já lançou mais de quarenta livros com imagens de regiões como o Pantanal, no Mato Grosso do Sul, sua maior inspiração. E não é para menos – os 160 mil metros quadrados da região comportam mais de mil espécies dos mais variados animais. Tanto material acaba animando os fotógrafos de fim de semana para se aventurarem em busca de um clique perfeito. “Todo mundo sonha em fotografar uma onça”, brinca Alcântara. “Estou me preparando para lançar um novo volume só com retratos delas”, conta.  Pegamos algumas dicas com o mestre para garantir que seu álbum de lembranças de viagem seja digno de capa de revista:

1) Se a intenção é clicar grandes felinos, invista na época seca (de agosto a outubro), quando os bichos saem da mata com mais frequência e ficam expostos aos nossos flashes.

2) Fique em absoluto silêncio e tente não se movimentar bruscamente; os animais percebem qualquer movimento.

3) Para passar despercebido, outra dica é ficar um ou dois dias sem tomar banho. Acredite, isso faz toda a diferença.

4) Acorde cedo. Cedo mesmo, antes do nascer do sol. A luz desse horário é a melhor e fica mais fácil encontrar a bicharada.

5) Se acomodar perto da água é uma boa estratégia para flagrar os alvos no momento da sede.

6) Vá sempre com um guia. É muito fácil se perder dentro da selva.

7) Muito cuidado com as abelhas africanas. Se você notar a presença desses insetos, saia andando lentamente sem nem tentar um clique.

8) Não despreze as aves. O tuiuiú e o colhereiro são fáceis de flagrar e geram lindas imagens.

9) Coloque seu equipamento dentro de uma bolsa impermeável. Há sempre o risco de cair tudo no rio.

10) Nunca olhe um animal fixamente, isso faz com que se sintam ameaçados.

 

 

 

Fonte: VEJA SÃO PAULO