Educação

Tumblr "coloca" bens da USP à venda

A Praça do Relógio no câmpus no Butantã, por exemplo, sai por 3 000 reais sem as árvores. Brincadeira ocorre em meio à crise financeira das universidades estaduais paulistas

Por: Catharina Nakashima - Atualizado em

  • Voltar ao início

    Compartilhe essa matéria:

  • Todas as imagens da galeria:

Pela bagatela de 5 000 reais é possível adquirir a raia olímpica da Universidade de São Paulo cheia de água e não de volume morto. Já o espaço ao redor do Museu do Ipiranga, fechado para reforma, pode ser locado para casamentos e festas de formatura a preço sob consulta. As propostas são do tumblr (blog que prioriza textos curtos e imagens)  de autor anônimo USP Vende Tudo. A página surge em meio à crise financeira enfrentada pela instituição ao lado de Unesp e Unicamp.

 

Entre outros itens, a brincadeira coloca ainda à venda a coleção de retratos dos reitores da universidade (100 reais) e o prédio da Escola Politécnica dentro do câmpus da universidade no Butantã (10 000 reais). Segundo o tumblr, o edifício – classificado como disco voador modelo 88 – está com "25 000 anos-luz de distância percorrida, teve um único dono e vem com jogo de tapetes".

Tumblr USP Vende Tudo
(Foto: Reprodução)

Na terça-feira (3), professores das três universidades estaduais paulistas protestaram em frente à reitoria da Unesp, no centro de São Paulo. Os servidores cobraram a retomada das negociações sobre os ajustes salariais.

Desde o dia 27, os funcionários e docentes estão em greve. A decisão foi tomada após o Cruesp (Conselho de Reitores das Universidades Estaduais Paulistas) adiar o reajuste nos salários, o que geralmente ocorre em maio. Os profissionais requerem correção de 9,78% – 3% de defasagens acumuladas mais inflação dos últimos 12 meses.

O Cruesp alega, porém, que os gastos com salários vêm comprometendo demasiadamente as receitas das três universidades. Na USP, 104,22% do orçamento são destinados para a folha de pagamento. Na Unicamp e na Unesp, os percentuais são de 96,52% e de 94,47%, respectivamente.

Fonte: VEJA SÃO PAULO