Cidades

Trinta coisas que só quem é do ABC vai entender

Os prazeres de um frango com polenta, de dar uma caminhada no Celso Daniel e os nomes carinhosos pelos quais os lugares são lembrados estão entre os itens da lista

Por: Meriane Morselli - Atualizado em

av-kennedy004
Avenida Kennedy: point de caminhadas dominicais (Foto: Divulgação)

Morar no ABC é explicar para as pessoas que não, não fica no interior e que não, não é uma viagem vir para São Paulo para trabalhar todos os dias. Se bem que quem vive por lá adoraria ver o metrô chegar ainda nesta encarnação. Fora isso, há uma série de pequenos prazeres (como a coxinha da Brasileira, a pizza do Joia...), lugares bacanas para se divertir e muito para lembrar, sobretudo de quem passou a infância e adolescência em uma das cidade.

+ 25 motivos para amar São Caetano 

Confira as trinta coisas que só quem é do ABC vai entender:

1) Dizer que vai para “São Bernardo”, “São Caetano” e “Santo André” para se referir ao centro da cidade

2) Sabe como foi importante para a vida social nos anos 90 e 2000 a Solem, a Twist’s, o Ilha de Capri, o Estância Alto da Serra, o Pimenta, o Santa Filomena, o L’Officina, a Ocean Drive e, vá lá, o Red Onion.

3) Esperou ansiosamente a chegada das primeiras unidades do McDonald’s (e atravessava o viaduto a pé para ir no de São Caetano, dentro do Carrefour)

4) Sabe exatamente onde fica o Mappin, a Mesbla e o Shopping São Caetano (aquele antigo, da Manuel Coelho) 

5)  Se delicia com os sandubas do Bar do Bolinho, as coxinhas da Brasileira, os pratões do Zelão, a salada com bacon do Rosas, o cachorro-quente do Rei do Dog, as pizzas do Joia, os lanches do Buger Map...

6) Já passou Natal ou ano-novo no São Judas, Florestal ou São Francisco, ali na rota do frango com polenta

sao judas
Salão do São Judas, no Demarchi: quem nunca passou réveillon lá? (Foto: Reprodução/Facebook)

7) Tem certeza que depois do Pastorinho e do Carrefour Anchieta já está quase em casa

8) Lembra-se dos bons tempos quantos os ônibus intermunicipais iam até o Parque Dom Pedro ou as estações Saúde e Ana Rosa do metrô

9) DE-TES-TA o Terminal Sacomã

10) Tem saudade de quando era seguro comer os lanches da Canôa

11) Conhece alguém que trabalha ou trabalhou na GM, Volks, Mercedez, Scania...

12) Conhece alguém que tentou, tentou e nunca passou no vestibulinho das ETEs - mesmo depois de fazer Profitec

13) Já se meteu em confusão nos Jogos Escolares, principalmente quando disputa era no Baetão  

14) Já foi (ou conhece alguém que foi) assaltado na favela Heliópolis

15) Sabe como é bom dar aquela caminhada na Kennedy, no Duque (que virou Celso Daniel), no Ginásio de São Bernardo no domingo de manhã

16) Cada vez mais tem convicção que não vai viver para ver o metrô chegar ao ABC

17) Já cansou de ver pelos muros as obras megacoloridas do Aleksandro Reis, o Romero Britto do ABC

18) Fez excursão na Cidade da Criança

Parque Cidade da Criança, em São Bernardo - ESPECIAL BAIRROS - 2232a
Cidade da Criança: passeio clássico do ABC (Foto: Raquel Toth/PMSBC)

19) Entende os prazeres de almoçar na Associação de fim de semana

20) Já foi em show ou em baile do Singular no Aramaçan

21) Lamenta o fechamento do Cine Vitória e do Cine Tangará

22) Já foi no show Amigos no “Buracão da Cerâmica”. Ops, Parque Chico Mendes

23) Ia ao Shopão, que era um Jumbo Eletro, que depois virou o Shopping Metrópole

24) E ainda chama o Shopping ABC de Mappin

25)   E o Grand Plaza de ABC Plaza

26)   Ficou de rolê no circuito Kenedy-Figueiras-Goiás e sabe muuuito bem os “segredos” da Avenida Industrial e da Avenida Dom Pedro II

Padaria Brasileira - coxinha
Estrela do cardápio da Brasileira: coxinha de massa cremosa e fritura crocante (Foto: Romero Cruz)

27) Enfrentou congestionamento para sair do Extra Anchieta de sexta e sábado à noite depois de pegar um cineminha

28) Já fez compras na Coronel Oliveira Lima, Rio Grande do Sul e Marechal Deodoro

29) Sente saudades dos bons tempos de Zangão, Camelão e do bar do China

30) Ia sempre (ou ainda vai) à quermesse na Praça São João Batista e à festa Italiana de São Caetano

Colaborou: Alexandre Nobeschi

Fonte: VEJA SÃO PAULO