publicidade

Teatro

'Trilhas Sonoras de Amor Perdidas' traz canções que morreram no ar

Drama do diretor Felipe Hirsch é um inventário sentimental datado, com referências memoráveis apenas para fãs de Kurt Cobain

23.jun.2011 por Dirceu Alves Jr.

Em 2000, o diretor Felipe Hirsch e sua Sutil Companhia de Teatro ganharam fama e fãs ardorosos com “A Vida É Cheia de Som e Fúria”. Adaptação do romance “Alta Fidelidade”, de Nick Hornby, a peça era embalada por Beatles, Nirvana, U2... Onze anos depois, o encenador lança o segundo título de sua trilogia musical. Não se pode comparar o drama Trilhas Sonoras de Amor Perdidas, em cartaz no Sesc Belenzinho, com aquele primeiro sucesso. Costuradas pela força das canções, são peças independentes, embora estejam apoiadas em conceitos semelhantes e revelem uma crise existencial. É inevitável dizer que, há uma década, a cultura grunge interessava a um universo maior. Hoje, esse nicho soa mais restrito, e a atual montagem torna-se um painel de referências sobre um período memorável apenas para os fãs de Kurt Cobain (1967-1994), líder da banda Nirvana.

Guilherme Weber interpreta um locutor de rádio em busca de músicas marcantes para os ouvintes. A inspiração vem de sua trágica relação com a jovem Soninho (papel de Natália Lage), há vinte anos, reconstituída no decorrer da trama. Faixas de The Cure, Neil Young, Tom Waits, entre outras, enfileiram-se ao longo da narrativa. Como nem todas são emblemáticas, acabam contribuindo para a duração excessiva.

+ Três perguntas para... Natália Lage

+ As dez melhores peças em cartaz

Criada por Beto Bruel, a iluminação injeta beleza em algumas cenas impactantes, reforçada pela surpreendente química entre Weber e Natália. A emotividade do espetáculo, no entanto, se estabelece muito mais pela abordagem sobre a passagem do tempo e a transição das fitas cassete e dos vinis para os CDs e os aparelhos de MP3 do que pela história de amor. Diretor maduro e sempre em evolução, Hirsch talvez tenha perdido o momento de fazer um espetáculo com tal temática. Para quem também assina “Pterodátilos” (em cartaz no Teatro Faap), “Cinema e Não Sobre o Amor”, a nova produção parece bem menos relevante e guiada, sobretudo, por razões sentimentais.

AVALIAÇÃO ✪✪

 

publicidade

Cultura para todos
X

Avaliação de VEJA SP

Não foi avaliado

Avaliação de VEJA SP

Péssimo

Avaliação de VEJA SP

Fraco

Avaliação de VEJA SP

Regular

Avaliação de VEJA SP

Bom

Avaliação de VEJA SP

Muito bom

Avaliação de VEJA SP

Excelente

Avaliação dos usuários

Ainda não foi avaliado

Avaliação dos usuários

Péssimo

Avaliação dos usuários

Fraco

Avaliação dos usuários

Regular

Avaliação dos usuários

Bom

Avaliação dos usuários

Muito bom

Avaliação dos usuários

Excelente

Avaliação do usuário

Péssimo

Avaliação do usuário

Fraco

Avaliação do usuário

Regular

Avaliação do usuário

Bom

Avaliação do usuário

Muito bom

Avaliação do usuário

Excelente

Péssimo

Fraco

Regular

Bom

Muito bom

Excelente

Comente

Envie por e-mail