Música

Três perguntas para Erasmo Carlos

O Tremendão, que lança no HSBC Brasil o disco Gigante Gentil, fala da perda do filho e do novo show

Por: Luan Flavio Freires

Erasmo-Carlos -ed. 2389
(Foto: ERASMO ESTEVES)

Como você encontrou forças para subir ao palco depois da morte do seu flho?

Bicho, a vida continua. Precisei mudar e tive de aprender a viver sem a alegria dele. Quando alguém querido se vai, quase todo mundo é egoísta, só pensa em si: “O que vai ser de mim agora sem essa pessoa?”. Isso é egoísmo. Nunca pensam em como quem morreu vai chegar ao outro lado. Eu tenho a obrigação de fcar bem.

+ Rapper GZA, fundador do Wu-Tang Clan, canta em São Paulo

+ Kings of Leon e Paramore tocam em novembro

Gigante Gentil, diferente dos últimos discos, é mais leve e menos rock ’n’ roll. O que mudou?

Isso depende das canções que você tem em mãos e dos músicos que trabalham com você no estúdio. O importante é fcar bom (risos).

+ Joe Satriani volta à cidade

Dois dos músicos que tocaram com você no novo CD vão participar do show. Como será?

O guitarrista Luiz Carlini gravou esse disco e vai tocar o tempo todo no show. Também convidamos o Marcelo Jeneci, que participou, para uma música. Não sabemos ainda qual, mas com certeza vamos fazer uma farra boa.

Fonte: VEJA SÃO PAULO